Filme de Margarida Cardoso "Yvone Kane" em competição em festival na Estónia

| Cultura

O filme "Yvone Kane", da realizadora portuguesa Margarida Cardoso, integra a competição internacional do Black Nights Film Festival, que está a decorrer em Tallinn, Estónia, revelou hoje a produtora Filmes do Tejo.

A longa-metragem será exibida em Talin, entre sexta-feira e domingo, com a presença da realizadora.

"Yvone Kane", rodado em Portugal e em Moçambique, é protagonizado por Beatriz Batarda, Gonçalo Waddington e pela atriz brasileira Irene Ravache.

A estreia mundial deu-se no verão passado, na Fundação Calouste Gulbenkian, e a exibição em sala comercial está marcada para fevereiro de 2015.

Nesta ficção, Yvone Kane, uma ex-guerrilheira e ativista política morta em circunstâncias estranhas, é pretexto para uma viagem de Rita (Beatriz Batarda) a um país africano sem nome, com marcas da guerra, onde reencontra a mãe, Sara (Irene Ravache), uma médica branca, antiga "revolucionária", que vive ali há muitos anos.

"Foi rodado em Portugal, mas quase todo em Moçambique. Na realidade, o país onde se passa não tem nome, é imaginário, mas consegue-se perceber e identificar uma história recente semelhante: uma guerra de libertação, uma independência, uma revolução socialista e agora uma atitude mais liberal economicamente", disse a realizadora à agência Lusa, quando o filme passou na Gulbenkian.

Por não ter nome, "torna-se mais metafórico em relação a uma série de acontecimentos, como a perda de relação ideológica com África, que é um bocadinho isso de que o filme trata - pessoas que se empenharam muito numa luta ideológica e na defesa de uma ideia para um país novo e livre e que hoje são uma espécie de fantasmas nestes países", afirmou Margarida Cardoso.

A 18.ª edição do Black Nights Film Festival, em em Tallinn, na Estónia, termina no dia 30.

Tópicos:

Black Nights Film, Cardoso, Estónia, Tallinn,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.