Museu Nacional de Arqueologia distinguido com o prémio internacional

| Cultura

O Museu Nacional de Arqueologia foi distinguido com o Prémio Internacional "Genio Protector da Colonia Augusta Emerita", atribuído pela Fundação de Estudos Romanos e pelo Grupo de Amigos do Museo Nacional de Arte Romano de Mérida, em Espanha.

O anúncio foi feito hoje, pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), num comunicado que destaca igualmente a distinção, com o mesmo prémio, do arqueólogo francês Patrick le Roux, de 71 anos, catedrático jubilado da Universidade Paris XIII.

Este prémio distingue o trabalho de personalidades, meios de comunicação, académicos e investigadores, em "prol do conhecimento e conservação do património histórico, cultural e arqueológico do mundo romano, e em especial de Mérida [na Extremadura española], bem como a divulgação do Museo Nacional de Arte Romano", naquela cidade.

Nesta 22.ª edição, o galardão "reconheceu especialmente a ligação entre os dois museus nacionais e particularmente os trabalhos transfronteiriços no domínio da Arqueologia e da Museologia Arqueológica, que ambas as instituições e as suas equipas têm realizado ao longo das últimas décadas".

A justificação do prémio, segundo a DGPC, salienta ainda os "importantíssimos projetos expositivos conjuntos", dos dois museus, "como é o caso da recente exposição internacional `Lusitania Romana: Orígen de los pueblos/Lusitânia Romana: Origem de dois Povos`, comissariada por Jose Maria Álvarez Martínez, António Carvalho e Carlos Fabião", patente até setembro, no Museo Nacional de Arte Romano, em Mérida.

A DGPC destacou ainda a colaboração, nesta mostra, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, entre outras instituições.

A exposição, no museu espanhol, foi inaugurada em março último, organizada pelas duas instituições, tendo contado com o apoio de 18 museus e outras entidades.

Os investigadores Patrick le Roux, Enrique Cerrillo Martín de Cáceres, que recebeu o mesmo galardão, em 2010, Jonathan Edmondson, distinguido em 2011, assinam artigos para o catálogo da mostra, que também conta com representações gráficas das cidades romanas de Conímbriga e Augusta Emerita (atual Mérida), de Jean Claude Golvín.

Esta exposição será apresentada no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, "no final de 2015", segundo a DGPC.

O museu português e Patrick le Roux juntam-se "a uma lista de mais de 40 entidades e personalidades, de diferentes nacionalidades e distintos méritos", que receberam o mesmo prémio, "entre eles, os catedráticos José María Blázquez (2000), Martín Almagro Gorbea (2002) e Isabel Rodá (2012), o arquiteto Rafael Moneo (2006), a Fundação Ramón Areces/El Corte Inglés (1998) e a CEPSA (1996)", adianta a DGPC.

Com este mesmo galardão foram também distinguidos o catedrático Jorge de Alarcão, da Universidade de Coimbra (2003), e o empresário Manuel Rui Azinhais Nabeiro (2009).

No ano passado o prémio foi entregue a Ángel Texeira Brasero e ao Festival de Teatro Clássico de Mérida, por ocasião da sua 60.ª edição.

A cerimónia de entrega do prémio está prevista para o dia 19 de setembro, às 20:00, no Museo Nacional de Arte Romano, em Mérida, que completa 29 anos de existência.

Tópicos:

Almagro Gorbea, Clássico, Conímbriga Augusta Emerita Mérida, Jose, Mérida [na Extremadura, Patrick Roux, Ramón Areces El, Romano Mérida,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.