RTP em destaque nos Prémios Gazeta

| Cultura
RTP em destaque nos Prémios Gazeta

A ver: RTP em destaque nos Prémios Gazeta

As jornalistas Sofia Leite, da RTP, e Rita Colaço, da Antena 1, foram distinguidas com os Prémios Gazeta, que dão visibilidade aos melhores trabalhos jornalísticos de 2015.

As jornalistas Sofia Leite, da RTP, e Rita Colaço, da Antena 1, foram distinguidas com os Prémios Gazeta, que dão visibilidade aos melhores trabalhos jornalísticos de 2015.


A jornalista da RTP, Sofia Leite, a autora do trabalho sobre as levadas da Madeira com o título "Água Vai, Pedra Leva", afirmou: "Achei que valia a pena fazer um documentário. Quando cheguei lá, fiquei esmagada pela dimensão da obra. E por encontrar várias pessoas vivas que queriam contar".

Na reportagem ficou registada a história de homens que agarrados a cordas abriam caminho à água, desde o sítio onde nasce até às aldeias que dela precisam - uma "epopeia" retratada em televisão.

E o trabalho valeu, a Sofia Leite, o seu segundo Prémio Gazeta. O veterano jornalista Mário Zambujal vaticina: "E ela não vai ficar por aqui".


Rita Colaço, da Antena 1, também repetiu a conquista do prémio, desta vez, pela reportagem "Mar da Palha, Zona C", onde se ouviu o dia-a-dia de quem apanha ameijoa no Tejo.

O presidente da República esteve na cerimónia. De Marcelo Rebelo de Sousa, que desde cedo colaborou com a comunicação social, ouviu-se um apelo à luta diária pela defesa da democracia.

Os Prémios Gazeta são atribuidos anualmente. Desta vez, foram distinguidos sete jornalistas e um semanário regional.

(Foto: Mário Cruz, Lusa)

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.