António Costa desvaloriza previsões da OCDE

| Economia
António Costa desvaloriza previsões da OCDE

Foto: Charles Platiau - Reuters

"Valem o que valem", responde o primeiro-ministro à revisão, em tom mais pessimista, das previsões macroeconómicas da OCDE para Portugal, este ano e no próximo.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico tinha a mais positiva das perspetivas internacionais para a Economia portuguesa, mas tornou-se hoje na mais pessimista, baixando a fasquia do crescimento económico e subindo a do défice.

O primeiro-ministro reagiu à notícia em tom descontraído, realçando que "até a OCDE reconhece" que o défice vai ficar abaixo dos 3% (2,9%, mais uma décima do que na estimativa feita pela organização no final de 2015).

Assim, a OCDE está mais pessimista do que o governo, que mantém como meta para este ano um défice para 2,2% do PIB, e junta-se ao Fundo Monetário Internacional (FMI), que também antevê um défice de 2,9%, e à Comissão Europeia, que estima um défice de 2,7%.






A informação mais vista

+ Em Foco

"Governar Portugal", sustentou o novo líder social-democrata no discurso de encerramento do 37.º Congresso do PSD, passa por "ter as pessoas como centro e razão da ação".

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.