António Costa desvaloriza previsões da OCDE

| Economia
António Costa desvaloriza previsões da OCDE

Foto: Charles Platiau - Reuters

"Valem o que valem", responde o primeiro-ministro à revisão, em tom mais pessimista, das previsões macroeconómicas da OCDE para Portugal, este ano e no próximo.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico tinha a mais positiva das perspetivas internacionais para a Economia portuguesa, mas tornou-se hoje na mais pessimista, baixando a fasquia do crescimento económico e subindo a do défice.

O primeiro-ministro reagiu à notícia em tom descontraído, realçando que "até a OCDE reconhece" que o défice vai ficar abaixo dos 3% (2,9%, mais uma décima do que na estimativa feita pela organização no final de 2015).

Assim, a OCDE está mais pessimista do que o governo, que mantém como meta para este ano um défice para 2,2% do PIB, e junta-se ao Fundo Monetário Internacional (FMI), que também antevê um défice de 2,9%, e à Comissão Europeia, que estima um défice de 2,7%.






A informação mais vista

+ Em Foco

Na edição deste sábado do 360, na RTP3, o jornalista António Louçã, autor da grande reportagem "Alemanha: o reverso da medalha", resumiu o contexto económico e social no chamado motor da Europa, em véspera de ida às urnas.

A Alemanha vai a votos com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

    Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

      Um ensaio do LNEC e do Instituto Superior Técnico, no âmbito do KnowRisk, evidencia a importância da tomada de medidas preventivas. Veja os vídeos e compare os dois casos.