Contestada linha de alta tensão que vai ligar Barragem do Tua a Armamar

| Economia

Uma linha de muito alta tensão vai ligar a Barragem de Foz Tua ao longo de 40 quilómetros até Armamar, passando o rio Douro na zona da Valeira, de acordo com a Declaração de Impacto Ambiental (DIA) aprovada.

Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a DIA da linha de muito alta tensão obteve um parecer favorável condicionado ao traçado "2SM", que uma ligação a Armamar, com travessia do rio Douro na zona da Valeira, em linha mista 400+220kV, e travessia do rio Tua a sul.

Esta solução possui uma extensão de quase 40 quilómetros e foi um dos quatro traçados propostos pela EDP.

Esta linha tem como objetivo escoar a energia produzida no Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua (AHFT) para a Rede Nacional de Transporte de Eletricidade, atravessando área inserida no Alto Douro Vinhateiro (ADV).

De acordo com a DIA, a "solução 2SM é a alternativa que se apresenta como sendo a menos desfavorável".

Tanto a linha de muito alta tensão como o AHFT têm sido muito contestadas por organizações ambientais e cívicas, que se opõem à construção da barragem, na foz do Tua.

Em reação à DIA, a Plataforma "Salvar o Tua", que junta associações ambientais e quintas de produção vinícola, afirmou hoje, em comunicado, que "este percurso encontra-se em clara infração ao estabelecido pela missão da UNESCO que, em junho de 2012, admitiu a eventual compatibilidade da barragem mas recomendando fortemente que a linha não cruzasse o ADV.

"Indo avante, os territórios durienses serão rasgadas por corredores de segurança desflorestados e por torres metálicas até 68 metros de altura, quase a mesma dimensão da Torre dos Clérigos, no Porto, ou a altura do tabuleiro da Ponte 25 de Abril, entre Lisboa a Almada" sublinhou a Plataforma.

Para a organização, das opções apresentadas no Estudo de Impacto Ambiental (EIA), o traçado aprovado é o que acarreta maior destruição de vinha e de floresta e afetará os concelhos de Carrazeda de Ansiães, Torre de Moncorvo (distrito de Bragança), Alijó, Peso da Régua, Sabrosa, Vila Real (Vila Real), Armamar, Lamego, São João da Pesqueira e Tabuaço (Viseu).

Com esta decisão estão também "em risco de morte espécies protegidas por lei, com ninhos na área, como a águia-de-Bonelli, o abutre-do-Egito, o grifo e a cegonha-preta".

A Plataforma anunciou que interpôs junto do Ministro do Ambiente um recurso hierárquico relativo à DIA da linha de muito alta tensão, porque "considera esta decisão ilegal".

Enviou ainda uma carta à UNESCO, na qual diz que denuncia as "ilegalidades e irregularidades cometidas pela EDP e pelo Governo na construção da barragem".

E, segundo acrescentou, remeteu também à nova equipa da Comissão Europeia, assim que esta entrou em funções, um pedido de esclarecimento sobre a queixa feita em 2012, relativamente à construção da barragem, que ainda não teve resposta por parte da instituição comunitária.

O empreendimento hidroelétrico, concessionado à EDP, começou a ser construído há três anos, ficando a conclusão da obra adiada para setembro de 2016 por causa do abrandamento imposto pela UNESCO.

Tópicos:

ADV Indo, Ambiental, Aproveitamento Hidroelétrico, Barragem, Carrazeda Ansiães Torre, Pesqueira, UNESCO,

A informação mais vista

+ Em Foco

É até hoje a mais icónica das aventuras da exploração espacial. Há 50 anos, o Homem chegava à Lua à boleia da NASA. Percorrermos aqui todos os detalhes da missão, dia a dia.

    O programa Artemis, da NASA, tem como objetivo regressar ao satélite natural da Terra e, simultaneamente, preparar a viagem a Marte.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.