Contestatários criticam retirada de carris no Tua sem contrapartida executada

| Economia

A Plataforma Salvar o Tua criticou hoje o início da retirada, por parte da EDP, dos carris de parte da Linha do Tua sem que tenha sido executado o plano de mobilidade alternativo e imposto como contrapartida.

O movimento contestatário da construção da barragem do Tua, que vai submergir 18 quilómetros da ferrovia, divulgou hoje que "teve início esta semana o levantamento de carris e travessas", no troço que vai ser alagado pela albufeira, enquanto aquela que foi a principal condição imposta à EDP pela construção da barragem "continua por cumprir".

A Agência de Desenvolvimento do Vale do Tua, que estava a conduzir o processo, indicou à Lusa que entregou à EDP o cumprimento da contrapartida e que a empresa estará a negociar com um operador privado para executar o plano de mobilidade quotidiana e turística, com a previsão de que o contrato deverá ser assinado "até ao final de dezembro".

O coordenador técnico da Plataforma Salvar o Tua, João Joanaz de Melo, considera a decisão de levantar os carris "um erro e um crime contra o património nacional" e adianta que "está a ser estudada a hipótese de avançar judicialmente para travar a destruição da linha".

Para o ambientalista, o plano de mobilidade "não saiu do papel, nem vai sair" e lembra que não houve nenhuma empresa interessada no concurso público internacional lançado para a "Conceção, Construção, Fornecimento, Exploração, Manutenção e Conservação do Sistema de Mobilidade da zona afetada pela barragem de Foz Tua".

O prazo para a apresentação de propostas terminou a 28 de agosto.

A barragem do Tua encontra-se em fase de conclusão na confluência dos concelhos de Carrazeda de Ansiães (Bragança) e Alijó (Vila Real), estando previsto o início do enchimento da albufeira para o próximo ano.

Para Joanaz de Melo, "este incumprimento da EDP só acontece devido à conivência das autoridades públicas, nomeadamente a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) que, na Comissão de Acompanhamento Ambiental da obra, têm fechado constantemente os olhos a estas ilegalidades", denuncia Joanaz de Melo.

Fonte da Agência para o Desenvolvimento do Vale do Tua explicou à Lusa que depois de nenhum interessado no concurso internacional, este organismo criado para gerir as contrapartidas da barragem, decidiu entregar à EDP o processo do plano de mobilidade.

Segundo a fonte, a empresa concessionária, que não está obrigada à realização de concurso públicos, estará a negociar diretamente com um operador para assumir a execução do plano com a garantia de 10 milhões de euros já disponibilizados pela elétrica.

O custo global calculado é de 30 milhões de euros e inclui a mobilidade turística com viagens de barco a partir da albufeira e de comboio da Brunheda até Mirandela, mas também a mobilidade quotidiana das populações ribeirinhas do Tua que perderam o transporte ferroviário ainda antes da construção da barragem.

A circulação na linha está suspensa há sete anos, desde o último de quatro acidentes com outras tantas vítimas mortais.

A agência indicou ainda que a previsão é de que o contrato com o operador privado deverá ser assinado "até ao final de dezembro".

A Lusa contactou a EDP e aguarda ainda uma reação da empresa.

Tópicos:

Brunheda, Carrazeda Ansiães Bragança, Salvar Tua Joanaz, Vale,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.