Governo incentiva gás natural veicular como alternativa ao petróleo

| Economia

O Governo está a trabalhar na eliminação de barreiras à utilização do gás natural veicular (GNV) como combustível, para avaliar se este poderá ser alternativa ao petróleo, afirmou hoje o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia.

Jorge Moreira da Silva, que falava na inauguração de um posto de carregamento de GNV no Carregado, indicou que o GNV poderá ser, a par da mobilidade elétrica, uma forma de diminuir a dependência energética portuguesa face ao petróleo.

"Temos hoje 70% de dependência energética face ao exterior e uma parte importante desta dependência diz respeito aos transportes, nomeadamente ao petróleo", sublinhou o ministro, durante a cerimónia.

Moreira da Silva considerou também que o GNV "é importante para o aproveitamento de infraestruturas já existentes", como por exemplo os gasodutos, utilizados para transportar o gás natural para território português.

Por outro lado, lembrando que a maior parte dos utilizadores deste combustível são empresas de logística e transporte de mercadorias, o ministro considerou que o GNV tem custos mais baixos e por isso tem impactos positivos no resto da economia.

De acordo com Moreira da Silva, o Governo está a tomar vários passos para eliminar as barreiras à utilização do GNV. Em causa está uma nova portaria agora publicada, relativa ao licenciamento de novos postos de abastecimento de gás; a criação de verbas dedicadas à promoção destes postos de abastecimento, no âmbito dos fundos comunitários geridos pelo Ministério do Ambiente; por fim, as novas medidas fiscais que incentivam o recurso a este combustível.

"Este é um sinal importante de que nos transportes não iremos ficar apenas pela eletricidade", referiu também, ressalvando que, para não se repetirem "os mesmos erros que na mobilidade elétrica, é preferível haver menos postos mas estrategicamente localizados". Isto para que possam ser testados pelas empresas.

O posto de abastecimento de GNV no Carregado, junto a uma das principais plataformas logísticas portuguesas, foi o segundo posto de atendimento público a entrar em funcionamento e faz parte da rede da Dourogás Natural.

O primeiro posto da rede, inaugurado em 2013, situa-se em Mirandela, Trás-os-Montes, sendo que a empresa explora também um posto da Carris e outro da STCP (Sociedade Portuguesa de Transportes Coletivos).

O Gás de Petróleo Liquefeito (GPL), que atualmente é usado em cerca de 50 mil automóveis em Portugal, é diferente do GNV uma vez que tem origem na refinação do petróleo enquanto o gás natural tem origem no subsolo da Terra.

Segundo informação fornecida pela Dourogás, para comparar o preço de GPL com o GNV, é necessário multiplicar o preço do litro de GPL por 1,51 e comparar com o m3 de gás natural.

Apesar do GNV poder ser usado em qualquer tipo de veículo, devido à pequena quantidade de postos de abastecimento espalhados por Portugal, existem poucos veículos a utilizar este tipo de combustível, sendo mais comum em frotas que possuem o seu próprio sistema de abastecimento, como é o caso dos transportes públicos e transportes de mercadorias.

Tópicos:

GNV, GPL, Mirandela Trás,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.