João Salgueiro teme perda de soberania e mais crises na banca

| Economia

Foto: RTP

Em entrevista à Antena 1, João Salgueiro avisa que subordinar o país "a tudo o que vem de fora" equivale a pôr de parte "a independência nacional". O antigo ministro das Finanças afirma ainda que pode haver "mais três bancos na linha para serem resgatados".

João Salgueiro é o dinamizador do novo manifesto sobre a banca, que pretende adiar o prazo de venda do Novo Banco para 2019 e que junta personalidades como Manuela Ferreira Leite, Freitas do Amaral, João Ferreira do Amaral e Rui Rio.
João Salgueiro foi vice-governador do Banco de Portugal depois do 25 Abril, ministro das Finanças da AD em 1981, esteve na administração da Caixa Geral de Depósitos e presidiu à Associação Portuguesa de Bancos.
O economista considera que a forma como Portugal está a gerir a questão da Banca põe em causa a independência nacional: "Se acomodamos tudo e se nos subordinamos a tudo o que vem de fora, ponham a independência nacional de fora".

Quanto à solução para o Novo Banco, Salgueiro sustenta que é necessário elaborar um estudo e "um livro branco". E "tem de ser um grupo independente que publique as alternativas". Porque "o problema é suficientemente importante, já não temos muitos bancos portugueses para estarem a ser desbaratados por urgências que não sabemos que existem e por oportunismos que também não sabemos se não existem".

"Uma nacionalização, porque é que não pode ser essa a solução?", questiona-se. João Salgueiro defende uma solução que tome como exemplo a Suécia: "Faria como os suecos, nacionalização para assegurar a qualidade (...) e depois pode-se vender".
"Mais três bancos na linha"

Pode haver, adverte João Salgueiro na entrevista à rádio pública, "mais três bancos na linha para serem resgatados". Depois do alerta do Banif, "que devia ter sido muito melhor explicado", e do dossier do Novo Banco, "pode haver o caso do BCP, da Caixa [Geral de Depósitos] e de um banco mais modesto, que pode ficar caríssimo também" para os contribuintes, avisa.

O Manifesto dos 51 tenta evitar uma nova venda à pressa. "O Banif foi a gota de água" para os signatários, explica João Salgueiro.

"A União Bancária é um aborto. É um escândalo. É um desastre", resume o antigo ministro das Finanças da AD de Pinto Balsemão, que não compreende como é que os governos embarcaram neste projeto europeu para o sistema financeiro.

Empregando uma metáfora para falar da banca, Salgueiro pergunta: "Então há uma pastelaria que se porta mal e são as outras que pagam?".

E exemplifica, uma vez mais em forma de pergunta, com a Caixa Geral de Depósitos. "Então agora é proibido ter empresas públicas?". Salgueiro não aceita que Bruxelas não deixe capitalizar a Caixa. Até porque também "há empresas públicas em França" ou "na Alemanha".
"O benefício da dúvida"

Quanto à governação apoiada pela esquerda parlamentar, João Salgueiro dá ao primeiro-ministro o "benefício da dúvida". Afirma "que porventura Costa tem tido mais sucesso do que as pessoas imaginaram, o problema é saber se é convincente a nível internacional".

"Dou sempre o benefício da dúvida, sobretudo a pessoas que considero, mas em termos de probabilidades acho que é muito escassa", sublinha.

Sugere, todavia, que António Costa devia ter interrompido as negociações sobre o Banif: "A negociação devia ter sido feita com muito mais dureza. Havia pretexto para interromper a negociação".

Neste ponto, Salgueiro é duro na crítica. "Não percebi [o que o Governo fez], uma coisa que devia ter sido bem explicada e não é. Há cumplicidades?", pergunta.

A informação mais vista

+ Em Foco

O primeiro registo de imagem de uma posse presidencial na América é de março de 1857, quando James Buchanan se tornou o 15.º Presidente.

    Milhões de pessoas, por todo o mundo. No dia seguinte à tomada de posse multiplicaram-se as manifestações contra Donald Trump. Os protestos aconteceram em pelo menos 60 países.

      Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

        Nos 60 anos da Gulbenkian, a RTP deu uma volta pelo museu da fundação e continua a mostrar as obras mais significativas.