Pires de Lima preocupado com despedimentos na Unicer, mas lembra investimentos recentes da empresa

| Economia

O ministro da Economia, Pires de Lima, admitiu hoje ficar preocupado com o encerramento da fábrica de Santarém da Unicer, que poderá envolver o despedimento de 150 pessoas, mas lembrou que a empresa fez investimentos relevantes recentemente.

"Fico naturalmente preocupado sempre que uma empresa racionaliza a sua atividade, mas vemos ao mesmo tempo todos os dias empresas a anunciar investimentos, a própria Unicer realizou investimentos muito relevantes no Norte do país ainda há pouco tempo", disse o ainda ministro da Economia, quando confrontado com a notícia do encerramento da fábrica de refrigerantes da Unicer em Santarém, que pode envolver o despedimento de 150 pessoas.

"O que é importante é continuar a trabalhar, ao nível geral, para que este balanço entre empresas que empregam ou novas empresas que se criam, e atividades que fecham seja um balanço positivo: Que gere muito mais empregos do que aqueles que acabam, que se criem muito mais novas empresas do que aquelas que cessam atividade", defendeu o governante.

Pires de Lima, que liderava o grupo de bebidas antes de assumir o cargo de ministro da Economia, em 2013, falava aos jornalistas à margem de um evento de promoção dos produtos e turismo dos Açores, que decorreu em Lisboa.

O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Bebidas e Tabacos de Portugal (Sintab) revelou hoje que a Unicer vai fechar o centro de produção de refrigerantes, em Santarém, que emprega entre 150 e 170 trabalhadores.

A Unicer disse que vai proceder ao ajustamento da sua estrutura, devido à retração de alguns mercados, sobretudo o angolano, o que vai culminar com o fecho da unidade de produção de refrigerantes em Santarém.

 

Tópicos:

Indústrias Bebidas, Pires, Santarém, Unicer,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.