Abstenção de 43,07 por cento, a maior de sempre em legislativas

| Eleições Legislativas 2015

A abstenção nas eleições legislativas de 04 de outubro ficou nos 43,07%, a maior de sempre registada em eleições legislativas, e quando faltavam atribuir quatro mandatos de deputados respeitantes aos círculos da emigração.

Nas eleições legislativas de 2011, a abstenção situou-se nos 41,9%.

A coligação PSD/CDS-PP é a força política mais votada nestas eleições, com 38,55% dos votos e com 104 mandatos, quando estão apurados os resultados provisórios em todas as 3.092 freguesias, de acordo com os dados da Secretaria Geral do Ministério de Administração Interna - Administração Eleitoral.

O PS foi o segundo partido mais votado, com 32,38%, elegendo 85 deputados.

Para as eleições de hoje estavam recenseados 9.682.369 os eleitores, segundo dados da Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna.

Às 16:00, mais de quatro milhões de eleitores já tinham votado, o que representava 44,38% dos 9,6 milhões de eleitores inscritos, uma subida de 2,4 pontos percentuais, face às anteriores legislativas.

A taxa de abstenção em eleições legislativas tem vindo a aumentar em Portugal desde o primeiro sufrágio universal livre do género, há 40 anos, quando escassos 8,34 % dos eleitores não se deslocaram às assembleias de voto.

De pouco mais de 8% em 1975, a taxa de abstenção cresceu assim exponencialmente até aos 41,9% em 2011, depois de em 2009 se ter registado uma taxa de 40,32%.

Só em três ocasiões se verificou um ligeiro abrandamento da tendência, em 1980, 2002 e 2005, respetivamente, quando a coligação Aliança Democrática (AD) - constituída pelo PPD-PSD, o CDS-PP e o Partido Popular Monárquico - venceu pela segunda vez, com maioria absoluta, assim como no triunfo do PSD de Durão Barroso e na primeira maioria absoluta do PS, com José Sócrates.

Em 1980, a abstenção recuou para 16,06%, quando nas anteriores legislativas tinha atingido 17,13%, em 02 de dezembro de 1979.

Trinta e dois anos depois, a 17 de março de 2002, quando os sociais-democratas, liderados por Durão Barroso, ganharam as eleições, a taxa de abstenção cifrou-se em 38,52%, ligeiramente abaixo dos 38,91% registados na segunda eleição de Guterres, em 10 de outubro de 1999.

Logo nas eleições seguintes, em 2005, que deram a Sócrates o seu primeiro mandato como primeiro-ministro, a abstenção ficou-se pelos 35,74%, face aos anteriores 38,52%.

Tópicos:

Guterres, PPD,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.