"Aqui estamos nós" - Rolling Stones em Cuba

por Marcos Celso - RTP
Septuagenários Stones fazem história em Cuba Reuters

Mick Jagger disse aos cubanos que "os tempos estão a mudar" para os lados de Havana.

E aí estão eles...em Cuba.



O momento histórico do Rock n' Roll após a primeira atuação ao vivo dos Rolling Stones em Cuba: depois de Barack Obama ter pisado solo cubano, passados poucos dias foram os Stones a dar música, da boa, às famílias cubanas.

Um dos momentos altos do concerto gratuito foi protagonizado pelo consagrado Mick Jagger quando anunciou, em espanhol, novos tempos para o país de Fidel e Raul Castro.


As coisas mudam em Cuba, a música dá uma ajuda preciosa depois de o país ter banido o `rock` durante décadas.

Depois da visita de Obama será difícl manter tudo na mesma, mas após o concerto dos "velhinhos" Stones há novos horizontes que se vislumbram nas exigências futuras - não só culturais - do povo cubano.

A banda atuou no complexo desportivo de Havana, que tem capacidade para 450 mil pessoas e ficou completamente cheio, havendo ainda centenas nas imediações do recinto, incluindo em telhados, a partir de onde podiam ver o concerto.



E, se mais de meio milhão de pessoas vibraram e viram Mick Jagger dizer que "os tempos estão a mudar verdadeiramente", em Cuba, palavras que entusiasmaram o público, não foi menor o entusiamo do grupo inglês que, na sua página do Facebook, fala de "uma noite incrível e inesquecível". Até o alinhamento das músicas ficou para a posteridade. Jumping Jack Flas abriu o "show" em Cuba e duas marcantes músicas terminaram o concerto histórico, Can't always get e Satisfaction.

Foto: Dave Hogan

Na assistência, a ansiedade era enorme e algo contagiante: "Estou aqui desde as oito da manhã porque este concerto é histórico, vai marcar a história mundial, não apenas Cuba", disse à AFP Meiden Betsy, um estudante cubano.

"Nunca imaginei que os poderia ver aqui um dia [aos Rolling Stones], nunca mesmo", afirmou Alexander Chacon, jardineiro.

Miguel Garcia, de 62 anos, disse à agência, ainda antes de o concerto começar, que sabia que se ia emocionar e chorar durante o espetáculo.



Este concerto de Havana foi incluído à última hora na digressão que os Rolling Stones estão a fazer na América Latina.

Um palco de 80 metros de comprimento e sete ecrãs gigantes foram instalados na Ciudad Deportiva, o complexo inaugurado em 1959.



A noite histórica dos "roqueiros durões e selvagens do Reino Unido" deixa antever mais ventos de mudança no regime cubano, o mesmo que baniu o rock do país por o regime de Fidel Castro o considerar uma expressão musical ligada ao imperialismo. No entanto, ao longo dos últimos 30 anos, o rock foi sendo gradualmente permitido.