Nações Unidas recordam conquistas de direitos humanos dos últimos 20 anos

| Mundo

Os direitos humanos são celebrados a nível mundial a cada dia 10 de dezembro e, neste ano, as Nações Unidas aproveitaram para recordar as principais conquistas das últimas duas décadas.

O lema "20 anos a trabalhar pelos seus direitos" foi adotado para celebrar este ano o Dia Internacional dos Direitos Humanos, que terá o seu momento alto na terça-feira, com a atribuição de prémios a cinco ativistas e uma instituição, em Nova Iorque.

O Prémio de Direitos Humanos 2013 foi atribuído aos ativistas Biram Dah Abeid, da Mauritânia, Hiljmnijeta Apuk, do Kosovo, Liisa Kauppinen, da Finlândia, Khadija Ryadi, de Marrocos, e à jovem paquistanesa Malala Yousafzai, bem como ao Supremo Tribunal de Justiça do México.

A cerimónia de atribuição dos galardões vai realizar-se na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, às 15:00 locais (20:00 em Lisboa).

Neste ano, as Nações Unidas quiseram prestar homenagem ao Alto Comissariado para os Direitos Humanos, criado em 1993, no mesmo ano em que foram adotados a Declaração e o Programa de Ação de Viena, dois documentos fundamentais.

"Intensifiquemos os nossos esforços para cumprir a nossa responsabilidade coletiva de promover e proteger os direitos e a dignidade de todos os povos do mundo", disse o secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, a propósito da celebração.

Para assinalar a data, as Nações Unidas elegeram 20 conquistas de direitos humanos das últimas duas décadas, entre as quais a universalidade e a indivisibilidade dos direitos civis e políticos e dos direitos económicos, sociais e culturais; a integração dos direitos humanos nos assuntos de paz, segurança e desenvolvimento; o reconhecimento dos direitos das mulheres como direitos humanos fundamentais; e a inclusão dos direitos das minorias na agenda internacional.

Tópicos:

Ação, Biram Dah Abeid Mauritânia Hiljmnijeta Apuk Kosovo Liisa Kauppinen, Iorque às,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.