ONU alerta que 16 mil civis de Alepo procuram "desesperadamente" refúgio

| Mundo

|

Cerca de 16 mil civis que viviam na zona oriental de Alepo, reconquistada pelas forças governamentais, procuram "desesperadamente" refúgio em áreas mais seguras, disse hoje o responsável da ONU para Assuntos Humanitários.

"Relatórios preliminares indicam que 16 mil pessoas encontram-se neste momento deslocadas e muitas delas em situação precária. O número vai aumentar se os combates continuarem nos próximos dias", alertou Stephan O`Brien através de um comunicado.

As forças de Damasco recuperaram 30 por cento do território de Alepo oriental controlado por forças rebeldes há quase quatro anos.

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês já pediu hoje uma reunião urgente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para debater a "catástrofe humanitária" em Alepo e estudar a forma de enviar meios de socorro para o terreno.

Tópicos:

Alepo, Stephan,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.