Reino Unido escolhe sair da União Europeia

| Mundo

|

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair da União Europeia.

A contagem de votos aponta para a vitória da saída com 51,9 por cento dos votos, enquanto os defensores da permanência da União Europeia conquistaram 48,1 por cento dos votos. A participação no referendo foi de 72,2 por cento dos 46,5 milhões de eleitores inscritos.



Na Escócia, a maioria dos votantes decidiu pela permanência na União Europeia, com 62 por cento dos votos. Um resultado semelhante ao da Irlanda do Norte, onde a opção pela permanência teve quase 56 por cento dos votos.

Em sentido contrário, a saída da União ganhou em Inglaterra, com 53,4 por cento e no País de Gales, com 52,5 por cento dos votos.
"Dia da independência"
O líder do partido para a Independência do Reino Unido, Nigel Farage, foi o primeiro político a reagir, considerando que este é o “dia da independência”. No Twitter, quando os resultados da vitória foram confirmados, veio dizer: “Temos o nosso país de volta. Obrigada a todos”.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, já afirmou que a Escócia vê o seu futuro como "parte da União Europeia".

"A Escócia vê o seu futuro como parte da UE. A Escócia votou de forma clara e decisiva para permanecer como parte da União Europeia, 62 contra 38 por cento", afirmou a primeira-ministra, em declarações à BBC.

Sturgeon já tinha indicado que, caso o Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia) ganhasse, tal poderia precipitar um novo referendo sobre a independência da Escócia.

A nível europeu, Martin Schulz foi o primeiro dos líderes das instituições da União Europeia a fazer uma declaração pública. O presidente do Parlamento Europeu veio dizer que não está chocado com a decisão e alertou que houve uma preparação para este cenário. 

Os presidentes das principais instituições europeias vão reunir-se ainda esta sexta-feira em Bruxelas para debater o resultado do referendo.

Além dos presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, do Conselho Europeu, Donald Tusk, e do Parlamento Europeu, Martin Schulz, a reunião extraordinária de líderes europeus incluirá também Mark Rutte, primeiro-ministro holandês, por ser este o país que detém, até julho, a presidência rotativa da União Europeia.

O presidente do Parlamento Europeu disse ainda que irá falar com a chanceler alemã Angela Merkel no sentido de tentar evitar reações em cadeia. "A reação em cadeia que os eurocéticos celebram agora um pouco em todo o lado não terá absolutamente nenhuma razão de ser", afirmou Martin Schulz.

As reações a esta decisão histórica de um país sair da União Europeia têm vindo a suceder-se, com destaque para as forças políticas de direita.

A líder da extrema-direita francesa rapidamente veio a público defender a necessidade de um referendo em França e nos outros países europeus. Na conta do Twitter, Marine Le Pen veio dizer que os resultados no Reino Unido são "a vitória da liberdade!" O líder holandês do partido anti-imigração veio já fazer igual pedido.
Libra afunda-se
Os mercados reagiram mesmo antes de o resultado ser definitivo. A libra colapsou para o valor mais baixo desde 1985. A divisa britânica caiu para 1.3466 dólares, o seu valor mais baixo em três décadas, de acordo com dados da Bloomberg.

A agência de notação financeira Standard & Poor’s veio entretanto dizer que o Reino deverá provavelmente perder a classificação AAA.


Pouco depois de terem sido conhecidos os reultados finais, o Banco de Inglaterra assegurou que adotará “todas as medidas necessárias” para assegurar a estabilidade monetária e financeira. A instituição garante que já trabalhou em profundidade vários cenários de emergência a aplicar, caso sejam necessários.

c/ Lusa

Tópicos:

Brexit, Referendo, Reino Unido, União Europeia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.