Comunicações e energia elétrica repostas no Centro de Saúde da Lousã

| País

A Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) garantiu hoje que as comunicações e a energia elétrica foram repostas no Centro de Saúde da Lousã, onde ocorreu um incêndio na terça-feira.

"Relativamente ao ponto de situação da Unidade de Saúde da Lousã, informo que, nesta altura, as comunicações e energia elétrica estão repostas. Durante a tarde de hoje, estão a ser feitas reparações pontuais e procede-se a limpeza do espaço", informou.

De acordo com a ARS Centro, a direção do ACES Pinhal Interior Norte garantiu atendimento alternativo nos centros de saúde mais próximos, nomeadamente Miranda do Corvo e Poiares, e no Serviço de Urgência Básico de Arganil, de forma a "minimizar eventuais incómodos para os utentes".

"No dia de amanhã [quinta-feira], já será possível o funcionamento do polo da USF [Unidade de Saúde Familiar] Trevim Sol, em Serpins, prevendo-se também a possibilidade da USF Serra da Lousã retomar o atendimento ao nível das situações de doença aguda", acrescentou.

O Centro de Saúde da Lousã, que inclui duas unidades de saúde familiar, está encerrado desde terça-feira devido a um incêndio que ocorreu no rés-do-chão do edifício.

De acordo com o diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte (ACES PIN), Avelino Pedroso, que tomou a decisão de fechar aquela unidade de saúde, o fogo deflagrou no sistema de alimentação ininterrupta (UPS, sigla em inglês de `uninterruptible power supply`) do servidor do edifício, que funciona dentro de um armário de madeira.

O incêndio "afetou a parte informática e a parte elétrica" do Centro de Saúde, um imóvel construído de raiz que começou a funcionar há dois anos.

Esteve circunscrito à zona onde funcionam as UPS, num corredor da USF Trevim Sol, mas o fumo espalhou-se pelo edifício e enegreceu as paredes, sobretudo no rés-do-chão.

Tópicos:

ARS, Corvo, Familiar] Trevim Sol, Lousã, USF Serra,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.