Comunicações e energia elétrica repostas no Centro de Saúde da Lousã

| País

A Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) garantiu hoje que as comunicações e a energia elétrica foram repostas no Centro de Saúde da Lousã, onde ocorreu um incêndio na terça-feira.

"Relativamente ao ponto de situação da Unidade de Saúde da Lousã, informo que, nesta altura, as comunicações e energia elétrica estão repostas. Durante a tarde de hoje, estão a ser feitas reparações pontuais e procede-se a limpeza do espaço", informou.

De acordo com a ARS Centro, a direção do ACES Pinhal Interior Norte garantiu atendimento alternativo nos centros de saúde mais próximos, nomeadamente Miranda do Corvo e Poiares, e no Serviço de Urgência Básico de Arganil, de forma a "minimizar eventuais incómodos para os utentes".

"No dia de amanhã [quinta-feira], já será possível o funcionamento do polo da USF [Unidade de Saúde Familiar] Trevim Sol, em Serpins, prevendo-se também a possibilidade da USF Serra da Lousã retomar o atendimento ao nível das situações de doença aguda", acrescentou.

O Centro de Saúde da Lousã, que inclui duas unidades de saúde familiar, está encerrado desde terça-feira devido a um incêndio que ocorreu no rés-do-chão do edifício.

De acordo com o diretor executivo do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte (ACES PIN), Avelino Pedroso, que tomou a decisão de fechar aquela unidade de saúde, o fogo deflagrou no sistema de alimentação ininterrupta (UPS, sigla em inglês de `uninterruptible power supply`) do servidor do edifício, que funciona dentro de um armário de madeira.

O incêndio "afetou a parte informática e a parte elétrica" do Centro de Saúde, um imóvel construído de raiz que começou a funcionar há dois anos.

Esteve circunscrito à zona onde funcionam as UPS, num corredor da USF Trevim Sol, mas o fumo espalhou-se pelo edifício e enegreceu as paredes, sobretudo no rés-do-chão.

Tópicos:

ARS, Corvo, Familiar] Trevim Sol, Lousã, USF Serra,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.