Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

| País
Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

A ver: Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

Os professores escolhem e os pais pagam: trata-se dos manuais escolares que todos os anos chegam a custar 200 euros.

Há uma década que a lei abriu caminho à reutilização dos manuais e estipulou que os programas curriculares se deveriam manter estáveis pelo menos durante seis anos. A reutilização ficou sempre na gaveta.

O prazo para a estabilização dos livros também raramente é cumprido. Uma simples mudança de parágrafo ou de imagem numa capa nova e diferente tem dado origem a livros novos que a escola adopta e torna obrigatórios para todos os alunos.

Por trás deste negócio, estão esquemas ilegais que incluem a entrega de brindes a professores. As principais editoras, Leya e Porto Editora, chegam a entregar-lhes os manuais escolares de que precisam para os filhos.

Com tudo isto, faturam 45 e 22 milhões de euros todos os anos.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam cerca de 200 mil hectares.

    Pela primeira vez na história, Espanha prepara-se para acionar o artigo 155 da Constituição, que suspende a autonomia. O Governo central já definiu os sectores que quer controlar de imediato naquela região.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.