Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

| País
Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

A ver: Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

Os professores escolhem e os pais pagam: trata-se dos manuais escolares que todos os anos chegam a custar 200 euros.

Há uma década que a lei abriu caminho à reutilização dos manuais e estipulou que os programas curriculares se deveriam manter estáveis pelo menos durante seis anos. A reutilização ficou sempre na gaveta.

O prazo para a estabilização dos livros também raramente é cumprido. Uma simples mudança de parágrafo ou de imagem numa capa nova e diferente tem dado origem a livros novos que a escola adopta e torna obrigatórios para todos os alunos.

Por trás deste negócio, estão esquemas ilegais que incluem a entrega de brindes a professores. As principais editoras, Leya e Porto Editora, chegam a entregar-lhes os manuais escolares de que precisam para os filhos.

Com tudo isto, faturam 45 e 22 milhões de euros todos os anos.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Em abril, uma cimeira histórica entre Coreias reaproximou dois países de costas voltadas há mais de 60 anos. O que esperar do futuro?

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.