Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

| País
Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

A ver: Negócio dos manuais escolares torpedeia lei de reutilização

Os professores escolhem e os pais pagam: trata-se dos manuais escolares que todos os anos chegam a custar 200 euros.

Há uma década que a lei abriu caminho à reutilização dos manuais e estipulou que os programas curriculares se deveriam manter estáveis pelo menos durante seis anos. A reutilização ficou sempre na gaveta.

O prazo para a estabilização dos livros também raramente é cumprido. Uma simples mudança de parágrafo ou de imagem numa capa nova e diferente tem dado origem a livros novos que a escola adopta e torna obrigatórios para todos os alunos.

Por trás deste negócio, estão esquemas ilegais que incluem a entrega de brindes a professores. As principais editoras, Leya e Porto Editora, chegam a entregar-lhes os manuais escolares de que precisam para os filhos.

Com tudo isto, faturam 45 e 22 milhões de euros todos os anos.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.