O regresso de Alberto Costa ao Governo, agora para a Justiça

por Agência LUSA

Alberto Costa, 57 anos, já com uma anterior experiência governativa como ministro da Administração Interna, volta agora ao executivo, mas para ocupar uma pasta mais directamente ligada à sua preparação académica: a Justiça.

Licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde também foi professor, Alberto Bernardes Costa estudou também na École Pratique d+Hautes Études, em Paris.

Além da Faculdade de Direito, Alberto Costa leccionou mo Instituto Superior de Economia (Direito Económico) entre 1976 e 1986.

O novo Ministro da Justiça inscreveu-se na Ordem dos Advogados em 1974 e em 1986 integrou os corpos dirigentes do respectivo Conselho Distrital, participando como delegado da classe nos congressos da Ordem realizados nos últimos 30 anos.

Casado com a professora Maria da Encarnação Trindade Lopes e pai de três filhos, Jaime, Joana e Inês, Alberto Costa nasceu em Évora de Alcobaça, distrito de Leiria, a 16 de Agosto de 1947, numa família de origem rural.

Alberto Costa tem um longo historial de oposição à ditadura de Salazar e Caetano, tendo sido dirigente estudantil na crise académica de 1968/1969.

Proposto como candidato pelas listas da Oposição Democrática de Leiria em 1969, viu a sua integração rejeitada pelo governo de Marcelo Caetano em virtude das informações da PIDE/DGS.

Foi militante do PCP entre 1967 e 1970, mantendo-se como independente até 1985, ano em que aderiu ao PS.

Em 1971 foi preso pela polícia política da ditadura e excluído da frequência de todas as universidades portuguesas.

Dois anos mais tarde, participou no Congresso da Oposição Democrática realizado em Aveiro, o que lhe valeu ser mobilizado para cumprir serviço militar em Angola sob regime disciplinar.

No entanto, na data do embarque, conseguiu fugir para França, onde lhe foi concedido o estatuto de exilado político.

Na década de oitenta, como deputado do PS, Alberto Costa foi um dos especialistas parlamentares em temas de justiça e de polícia, em confronto frequente com Dias Loureiro e o restante governo de Cavaco Silva.

Dirigente do PS desde 1988, foi Ministro da Administração Interna no primeiro governo de António Guterres, de Outubro de 1995 a Novembro de 1997.

Foi um dos representantes do parlamento português na Convenção que preparou a reforma das instituições europeias.

Alberto Costa é ainda autor de vários estudos sobre matérias jurídicas e políticas publicados em revistas nacionais e estrangeiras.