Presidente eleito do Sindicato dos Magistrados diz que Pinto Monteiro não queria investigações a poderosos

| País
Presidente eleito do Sindicato dos Magistrados diz que Pinto Monteiro não queria investigações a poderosos

Foto: Antena 1

O novo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) ainda não tomou posse, mas lança já uma forte acusação. António Ventinhas diz que Pinto Monteiro não apoiava investigações a pessoas poderosas.

É uma acusação direta ao antigo Procurador-Geral da República Pinto Monteiro.

O recém-eleito presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, António Ventinhas, diz que o antigo PGR não apoiava investigações a pessoas poderosas e que muitos procuradores envolvidos em processos mediáticos enfrentavam processos disciplinares.

Na entrevista à jornalista da Antena 1 Cristina Santos, António Ventinhas afirma que o Ministério Público tem agora mais apoio por parte da Procuradoria. Algo que não acontecia no tempo de Pinto Monteiro.

Quanto ao estado da máquina judicial em Portugal, o sindicalista alerta para a falta de magistrados e funcionários e diz que há tribunais a funcionar em serviços mínimos.

O novo conselho diretivo vai pedir uma audiência à ministra da Justiça, desde logo por entender que estatutos das magistraturas que não se adequam à nova organização judicial.

António Ventinhas venceu no último sábado as eleições para a presidência do SMMP. Na entrevista à rádio pública, remata que a falta de recursos é nesta altura um dos maiores problemas do novo mapa judiciário.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.