Proteção Civil refuta críticas de São Pedro do Sul

| País

|

O autarca de São Pedro do Sul considerou que a presença dos bombeiros no combate às chamas no concelho foi insuficiente nos primeiros dias. O comandante nacional da Proteção Civil rejeita as acusações e mostra-se confiante de que o inquérito que foi instaurado vai permitir mostrar “a excelência do trabalho efetuado” e apurar “todas as responsabilidades”.

José Manuel Moura, em declarações aos jornalistas, reagia ao anúncio, por parte do primeiro-ministro, António Costa, da abertura de um inquérito para apurar o que correu mal com na fase inicial de combate ao incêndio, na sequência das críticas feitas pelo presidente da Câmara.

"Acho que a abertura do inquérito foi uma extraordinária decisão, porque vai permitir [mostrar] a excelência do trabalho que o combate realizou nesse incêndio", referiu o comandante operacional nacional.

“Foi feito um extraordinário trabalho" no combate às chamas em São Pedro do Sul, um incêndio com "uma dimensão enorme", "de uma grande complexidade", afirmou o responsável.

"Tudo o que foi feito foi tudo muito bem feito, e o inquérito vai demonstrar isso", defendeu José Manuel Moura.


O presidente da Câmara de São Pedro do Sul, Vítor Figueiredo, lamentou a falta de meios e denunciou o facto de o início de o combate às chamas ter sido feito apenas com "a prata da casa".

"Os primeiros quatro dias foram muito maus, porque não tivemos qualquer tipo de apoio", lamentou o autarca, considerando que estas situações "não podem voltar a acontecer".

Já esta terça-feira, o autarca reafirmava as críticas, considerando que, "se tivesse sido atacado a tempo e horas, logo no primeiro dia com gente e meios, o fogo não tinha chegado ao ponto devastar um terço do concelho". "Não se pode admitir que só ao fim de quatro dias o concelho tenha tido o apoio das entidades oficiais", reitera o autarca.

Vítor Figueiredo não quis dirigir as críticas a alguém em particular. "Não são dirigidas a ninguém. Há-de ser o inquérito a apurar. A minha crítica é no sentido de saber o porquê e quem é o responsável por termos só apoio ao fim de quatro dias", realçou.

O presidente da Câmara local fala de prejuízos avultados, mas remete números finais para quando estiver feito o levantamento total dos danos provocados pelo incêndio que durou praticamente uma semana.

Com base nas queixas do presidente da Câmara Municipal, o Ministério da Administração Interna abriu um inquérito para averiguar os procedimentos adotados.

Luís Filipe Fonseca, Rita Ramos, Fátima Pinto, Cátia Ferraz, Filipe Martins, João Agante, Luís Vilar – RTP


Em jeito de resposta, o comandante nacional operacional disse esperar “que o inquérito releve as responsabilidades de todos os intervenientes".
Fogo de Cerveira na mira dos bombeiros
Às 11h00 desta terça-feira, o fogo de Vila Nova de Cerveira, a lavrar desde as 17h54 da véspera, era o único a ser considerado pela Proteção Civil como “ocorrência importante”.

No local permaneciam, a essa hora, 61 operacionais, com 19 meios terrestres, sem qualquer apoio de meios aéreos. Entretanto a Proteção Civil deixou de classificar este incêndio como “ocorrência importante”.

No total, às 11h00, registavam-se 34 incêndios em Portugal continental, o que equivalia a 1332 operacionais destacados para o combate aos fogos, com 432 meios terrestres e o apoio de três meios aéreos. Informações disponíveis na página oficial da Autoridade Nacional de Proteção Civil.
Estado de alerta diminui para amarelo
O estado de alerta por causa dos incêndios baixou para nível amarelo, o terceiro numa escala de cinco. A decisão foi tomada na noite desta segunda-feira pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, depois de uma reunião com o Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA), e tendo por base a informação de uma descida de temperaturas.

"A partir das 20 horas de hoje, até às 20 horas de amanhã [terça-feira], encontramo-nos no nível amarelo", disse o responsável nacional José Manuel Moura aos jornalistas.

O estado de alerta devido aos incêndios deixa assim de ser laranja, o segundo mais grave.

Desde 6 de agosto registaram-se 3.139 ocorrências, que envolveram 74.006 operacionais, apoiados por 20.010 viaturas, tendo havido 1.215 missões com meios aéreos.

Dezasseis concelhos dos distritos de Viseu, Guarda, Castelo Branco, Coimbra e Faro apresentam esta terça-feira risco "Máximo" de incêndio, na escala do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Os concelhos de Vila Nova de Paiva (Viseu); Sernancelhe, Aguiar da Beira, Trancoso, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Gouveia e Guarda (Guarda); Arganil, Góis e Pampilhosa da Serra (Coimbra); Oleiros e Mação (Castelo Branco); Monchique (Faro), estão em risco 'Máximo' de incêndio.

O instituto colocou também em risco 'Muito Elevado' e 'Elevado' de incêndio vários concelhos de 15 distritos de Portugal continental.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre "Reduzido" e "Máximo".

Tópicos:

Autoridade Nacional de Proteção Civil, São Pedro do Sul, comandante nacional, inquérito, Incêndios,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.