Em 1918 submarino alemão filmou navio português a ser afundado

| Portugal na I Grande Guerra
Em 1918 submarino alemão filmou navio português a ser afundado

A ver: Em 1918 submarino alemão filmou navio português a ser afundado

O caça-minas português "Augusto Castilho" escoltava o navio mercante "S. Miguel" em 14 de Outubro de 1918, quando este foi atacado pelo submarino alemão U-139. O caça-minas, sob o comando de Carvalho Araújo, tentou combater o poder de fogo superior do submarino e, finalmente, protegeu o "S. Miguel" interpondo-se entre ele e o navio atacante, e dando-lhe tempo para ficar fora do alcance deste. Após duas horas de combate, com as máquinas inutilizadas, o "Augusto Castilho" rendeu-se. O comandante Carvalho Araújo foi morto por um último tiro do submarino.

A partir deste momento, o submarino alemão registou os acontecimentos em filme, legendado para sublinhar a humanidade dos vencedores: o médico alemão assistiu os feridos portugueses e estes puderam embarcar em dois pequenos salva-vidas que dois dias depois atingiram Santa Maria, nos Açores, com 35 sobreviventes. Um ferido sucumbira durante a jornada.

O filme mostra também como marinheiros do submarino vão a bordo do caça-minas para retirar munições e mantimentos e como, depois, o afundam detonando explosivos colocados a bordo e disparando contra o navio na linha de água. Os alemães homenagearam ainda o comandante e outros tripulantes do "Augusto Castilho" mortos na refrega, lançando-os ao mar envolvidos na bandeira portuguesa.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.

Constança Urbano de Sousa garante que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.