Análises situam origem da poluição do Tejo na indústria da pasta de papel

| Ambiente

A Agência Portuguesa do Ambiente divulgou esta tarde o resultado das análises à água e à espuma recolhidas do Tejo na região de Abrantes
|

São já conhecidos os resultados das análises da Agência Portuguesa do Ambiente à água e à espuma recolhidas do Tejo. A carga poluente que a 24 de janeiro foi detetada na região de Abrantes teve origem em descargas da indústria da pasta de papel.

“O que estamos aqui a referir é que, com base nestas análises efetuadas e na monitorização e acompanhamento efetuados, se confirma que o acumular da carga orgânica nestas localizações do rio, com origem nas indústrias de pasta de papel localizadas a montante, tem um impacto negativo e significativo na qualidade da água no Rio Tejo”, declarou na tarde desta quarta-feira o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Nuno Lacasta.O ministro do Ambiente apontou esta quarta-feira para “um problema de saturação” no Tejo, “mais evidente no final do ano hidrológico, em que choveu infelizmente muito pouco”. Matos Fernandes falava antes da divulgação das análises da APA.


Segundo o responsável, que falava em conferência de imprensa, a concentração de carga orgânica na zona de Abrantes foi o desfecho de uma conjugação de fatores. Na próxima semana, assinalou Nuno Lacasta, vai ser avaliada a redução de descargas da fábrica da Celtejo determinada pelo Ministério do Ambiente.

Recorde-se que, por determinação da tutela, a Celtejo teve de cortar as descargas de efluentes em 50 por cento por dez dias. A Agência do Ambiente faz notar que é desta empresa que partem 90 por cento das descargas da indústria da pasta de papel, embora responsabilize todas as unidades.

A Celtejo, apontou ainda Nuno Lacasta, foi forçada a antecipar a construção de uma Estação de Tratamento de Águas Residuais Industriais (ETARI) em dois anos; a estrutura está a operar desde o final de setembro de 2017, mas parcialmente, segundo a APA.

As análises agora divulgadas indicam que os níveis de celulose das amostras superavam o recomendado em cinco mil vezes.


Antena 1
“Completamente alheia”

Na antecâmara da conferência de imprensa da Agência Portuguesa do Ambiente, o diretor de Qualidade e Ambiente da Celtejo veio alegar que esta fábrica de pasta de papel da Altri, localizada em Vila Velha de Ródão, “é completamente alheia ao que tem surgido”.

“Não temos qualquer anomalia ou qualquer descarga e a produção ao longo das últimas semanas tem sido estável”, afiançou Soares Gonçalves, em declarações citadas pela agência Lusa.

O responsável da Celtejo frisou que a ETARI da unidade emprega tecnologia de ponta, com “ultrafiltração por membranas”, e é mesmo a mais moderna em Portugal – os três reatores que a compõem têm uma capacidade combinada de 36 mil metros cúbicos.

Por sua vez, Sofia Jorge, engenheira no sector ambiental da Celtejo, advertiu para o impacto das medidas impostas pelo Ministério do Ambiente, desde logo a redução do caudal de efluentes: “A fábrica não pode continuar nestas condições. Deixa de ser viável continuar assim”.

“Não estamos aqui para acusar ninguém. Mas muita coisa ao longo do rio deve ser verificada”, acentuou a engenheira, para acrescentar a Celtejo “não tem multas, nem foi condenada”.

c/ Lusa

Tópicos:

Agência Portuguesa do Ambiente, Análises, Descargas, Espuma, Pasta de papel, Poluição, Rio, Tejo,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.