Covid-19. Autoridades de Tóquio alarmadas com novo recorde de infeções

por Cristina Sambado - RTP
Amr Abdallah Dalsh . Reuters

Numa altura em que a capital japonesa acolhe os Jogos Olímpicos, Tóquio regista novo recorde de infeções por SARS-CoV-2, pelo terceiro dia consecutivo.

Tóquio relatou esta quinta-feira 3865 novos casos, diante de 3177 de quarta-feira e o dobro dos números da semana anterior, estabelecendo um recorde histórico desde o início da pandemia.

Nunca tivemos uma expansão de infeções desta magnitude”, afirmou Katsunobu Kato, o porta-voz do Governo aos jornalistas, que acrescentou que os novos casos estão aumentar em todo o país.

O Japão reportou mais 9500 casos, o que elevou o número total para 892 mil infeções e cerca de 15 mil óbitos desde o início da pandemia.

O país manteve números de infeções e de óbitos mais baixos que outros países. Mas a média semanal a nível nacional tem vindo a subir, o índice de transmissibilidade está agora nos 28 por 100 mil habitantes. Em Tóquio esse valor está nos 88 por 100 mil habitantes.
Quarto estado de emergência
A capital nipónica está no quarto estado de emergência desde 12 de julho, um dia antes do arranque dos Jogos Olímpicos, que começaram na passada sexta-feira, com uma ampla oposição da população que tem o receio de que as Olimpíadas possam piorar o surto.

Por enquanto, não foi detetado contágio relacionado com os milhares de atletas estrangeiros que foram para o Japão.

No entanto, as pessoas continuam a circular nas ruas, apesar dos apelos das autoridades de saúde para que permaneçam em casa.

A variante Delta, oriunda da Índia e muito mais infecciosa, está a espalhar-se por Tóquio, e atinge principalmente pessoas com menos de 60 anos, grupo que apresenta uma taxa de vacinação mais baixa.

O primeiro-ministro, Yoshihide Suga, revelou que o seu Governo vai decidir na sexta-feira se alarga as medidas de emergência. É provável que o estado de emergência em Tóquio se prolongue até 31 de agosto e que as três regiões vizinhas da capital e Osaka – a terceira cidade mais populosa do Japão - sejam também adicionadas.

Suga defendeu as medidas tomadas pelo Governo para travar a propagação do novo coronavírus e negou que os Jogos Olímpicos tenham contribuído para o aumento recorde de infeções, pois acontecem dentro de fortes restrições de movimento para todos os participantes.

O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos, por sua vez, anunciou hoje 24 novas infeções de pessoas envolvidas nos Jogos, incluindo três atletas. Até o momento, 193 positivos pelo novo coronavírus foram detetados em pessoas que participam dos Jogos, dos quais 20 afetam atletas.Férias, Jogos Olímpicos e festas
O médico especialista Shigeru Omi, que chefia o painel que assessora o Governo no combate à pandemia, citou entre os fatores do aumento da transmissão do coronavírus "as pessoas já estarem acostumadas com a Covid-19", estar-se numa época do ano em que coincidem as férias escolares, as festas familiares e os Jogos Olímpicos.

“O maior problema é que a sensação de perigo não é compartilhada por toda a sociedade. Se ainda não houver consciência, a disseminação do vírus vai acelerar e em breve colocará uma pressão maior no sistema de saúde”, alertou Omi.

O especialista apelou ainda a "tomar mais medidas" para reduzir o contacto entre os cidadãos e destacou que o Governo e a comissão organizadora dos Jogos "têm a responsabilidade de fazer todo o possível para evitar o colapso do sistema de saúde".
A situação nos hospitais Nos hospitais de Tóquio estão internados dois atletas olímpicos estrangeiros e 38 estão em isolamento em hotéis designados pelas autoridades.

Yuriko Koike, a governadora de Tóquio, exortou os organizadores dos Jogos Olímpicos a não sobrecarregarem os hospitais.

Koike acrescenta que os médicos estão sob forte stress e recorda que os especialistas estimam que o número diário de novos casos em Tóquio pode ultrapassar os 4500 em meados de agosto.

A governadora frisou que os adultos na faixa dos 30 anos e os mais jovens dominam agora os casos recentes e apela à população para manter as medidas de prevenção básicas - usar máscara e evitar festas.

Gostaria que os jovens soubessem que a variante Delta é um inimigo muito difícil e perigoso”, afirmou.

Koike apelou ainda aos menores de 64 anos, faixa etária em que a grande maioria ainda não está inoculada, para que tomem a vacina assim que forem chamados.

Na quarta-feira, 26,3 por cento da população japonesa já tinha a vacinação completa. A percentagem de idosos totalmente vacinados é de 70 por cento (o que representa 24,8 milhões de pessoas).

Já Masataka Inokuchi, médico num hospital de Tóquio, frisa que o aumento de doentes com Covid-19 está a levar os hospitais a adiarem cirurgias programadas e a reduzirem outros tratamentos. Milhares de pessoas com testes positivos estão em casa ou em hotéis designados a aguardar uma cama hospitalar.

c/agências
Tópicos
pub