Ao fim de 37 anos. `Running Up That Hill` de Kate Bush é nº 1 no Reino Unido

por RTP
Capa do álbum Running Up That Hill de Kate Bush Kate Bush

Demorou 37 anos mas finalmente, graças à série 'Stranger Things' da Netflix que o apresentou a novas gerações, o êxito da cantora e compositora britânica Kate Bush, 'Running Up That Hill', atingiu o primeiro lugar das tabelas no Reino Unido. Quando foi lançado em 1985 apenas chegou ao nº 3 sendo então o seu segundo melhor 'single'.

Nos Estados Unidos da América, Running Up That Hill está atualmente m 4º, o seu lugar mais alto de sempre naquele mercado.

“É difícil perceber a rapidez com que está tudo a acontecer”, reagiu Bush, de 63 anos, num comunicado publicado no início da semana na sua página web. “Tantos jovens que amam o programa [Stranger Things] estão a descobrir a canção pela primeira vez”. A música foi incluída no mês passado na banda sonora da série.

Kate Bush tornou-se agora a mulher mais velha a atingir o primeiro lugar das tabelas britânicas, enquanto os 37 anos de Running Up That Hill ultrapassaram Last Christmas dos Wham! quanto à demora de um sucesso a chegar ao topo.

Kate Bush bateu ainda o recorde de 42 anos entre primeiros lugares, antes pertencente a Tom Jones, ao chegar a nº1 com Running Up That Hill 44 anos depois de o conseguir com outro êxito, Wuthering Heights.

“A resposta a Running Up That Hill é algo que tem possuído a sua própria energia e vontade. Uma relação direta entre os programas e as suas audiências e que tem estado completamente aparte do negócio musical. Ficamos todos espantados ao ver a música explodir!”, acrescentou o comunicado da intérprete.



Regra levantada
Running Up That Hill está a registar uma média de 575 mil audições por dia no Spotify britânico e mais de seis milhões na plataforma a nível global. O nº 1 foi contudo alcançado depois da regra de “declínio acelerado” introduzida em 2017 e aplicada a canções mais antigas ter sido levantada.

Especula-se de Bush tenha assim aberto caminho ao regresso às tabelas de outros êxitos vintage.

Running Up That Hill mudou por si só as coisas como as conhecíamos”, afirmou o analista James Masterson ao jornal britânico Guardian. “Pela primeira vez na era do streaming uma faixa de catálogo antigo não só ressuscitou espontaneamente como manteve a popularidade por um período longo”.
“A música de Kate Bush tornou-se genuinamente um sucesso sustentado e por essa razão é justo que as regras não se apliquem, de forma a poder juntar-se às obras recentes num mesmo plano. Isso muda muito, já que estabelece um precedente para outros clássicos fazerem o mesmo se as circunstâncias merecerem” frisou o especialista.
A regra do “declínio acentuado” procura abrir espaço a novas músicas no mercado de streaming. A cada 100 audições uma destas ganha uma ‘venda’ enquanto as mais antigas necessitam de 200 para obterem o mesmo resultado.

Apesar dessa regra, Running Up That Hill conseguiu chegar ao segundo lugar no Reino Unido.

Na semana passada a editora discográfica de Kate Bush, a EMI, pediu por isso uma “reinicialização manual” dos índices, possível em “circunstâncias excecionais” quando uma faixa está a ser preparada para ser promovida. Em consequência, as transmissões de Running Uo That Hill duplicaram, levando-a a disparar e ultrapassar As It Was de Harry Styles, afastado ao fim de 10 semanas seguidas no topo da tabela britânica.
Caso excecional
Martin Talbot, presidente executivo da Empresa de Tabelas Oficiais, sublinhou que apesar das especulações as regras mantêm-se.

"Running Up That Hill de Kate Bush apenas foi reinicializada manualmente esta semana, um processo acessível a todos os artistas e usado amiúde pelas discográficas durante períodos de campanha e ocasiões como esta”, referiu.

Os especialistas afastam a possibilidade das tabelas serem em breve dominadas por velhos êxitos, e consideram que o sucedido com Kate Bush uma vez sem exemplo.

É a opinião da ex-editora da NME e fundadora da Forty-Five, Charlotte Gunn. Bush, lembrou ao Guardian, conseguiu chegar ao nº 2 antes da reinicialização.

“Mostra a capacidade de um programa popular atingir uma audiência global e como uma banda sonora é essencial na criação dessa popularidade”, afirmou Gunn.

Apenas quatro artistas chegaram a nº 1 nas tabelas à frente de Kate Bush.

Captain Sir Tom Moore é o mais velho, com um recorde difícil de igualar, tendo-o conseguido aos 99 anos e 11 meses com a sua interpretação de You’ll Never Walk Alone, de 2020. Elton John foi nº 1 aos 74 anos, Tom Jones aos 68 e Louis Armstrong aos 66.
pub