Bruno Navarro vai presidir ao Conselho Diretivo da Fundação Côa Parque

| Cultura

O Ministério da Cultura anunciou hoje a composição do novo Conselho Diretivo da Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa, que será presidido por Bruno Navarro.

Em comunicado, o Governo revelou que Bruno Navarro será designado para o cargo de presidente do Conselho Diretivo sob proposta do Ministério da Cultura, enquanto Maria Manuel de Oliveira é indicada para vice-presidente, sob proposta da Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

O mandato do novo Conselho Diretivo inicia-se na próxima segunda-feira, dia 26 de junho, e tem a duração de cinco anos.

O mesmo documento indica ainda que são designados vogais não executivos do Conselho Diretivo da fundação Nuno Fazenda, diretor do Departamento de Gestão de Programas Comunitários do Turismo de Portugal, e Gustavo Duarte, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa, propostos, respetivamente, pela Secretária de Estado do Turismo e pelo município de Vila Nova de Foz Côa e Associação de Municípios do Vale do Côa.

Já Pedro Bacelar de Vasconcelos, antigo presidente da Associação dos Amigos do Côa (ACÔA) foi convidado para presidir ao Conselho Consultivo da Fundação.

Hoje, em Diário da República foi publicado o decreto-lei que "altera os estatutos da Fundação para a Salvaguarda e Valorização do Vale do Côa e adapta-os à Lei-Quadro das Fundações e às orientações estratégicas definidas pelo Governo", recorda o comunicado.

Segundo o ministério de Luís Filipe Castro Mendes, a ação do Governo é fortalecida, passando a área da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior a ter representação no Conselho Diretivo, em estreita articulação com os representantes da Cultura, do Turismo, do Ambiente, da autarquia local e da Associação de Municípios do Vale do Côa.

"É alargada a missão da Fundação na valorização patrimonial, científica, ambiental e turística do Vale do Côa, designadamente através do envolvimento de instituições científicas e de ensino superior, imprimindo à Fundação uma nova dinâmica de atuação, que permite a prossecução da sua missão de interesse público. Também fruto dos novos estatutos, a Associação dos Arqueólogos Portugueses terá, pela primeira vez, participação ativa na Fundação", enfatiza a tutela.

A arte rupestre do Côa, inscrita na Lista do Património Mundial da UNESCO desde 1998, foi uma das mais importantes descobertas arqueológicas do Paleolítico superior em finais do século XX em toda a Europa.

Aquando da descoberta "Arte do Côa", em 1994, os arqueólogos portugueses asseguraram tratar-se de manifestações do Paleolítico Superior (20 a 25 mil anos atrás) e afirmaram estar-se perante "um dos mais fabulosos achados arqueológicos do mundo".

O Parque Arqueológico do Vale do Côa foi inaugurado a 10 de agosto de 1996.

Por seu lado, o museu abriu as portas no início de agosto de 2010, num projeto dos arquitetos Camilo Rebelo e Tiago Pimentel.

Tópicos:

Arqueológico Vale, Bacelar, Camilo Rebelo, Foz Côa, Fundações, Gustavo, Paleolítico, Salvaguarda Valorização Vale, UNESCO,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.