Colégio das Artes de Coimbra acolhe ramo virtual do Museu Estadual Russo

| Cultura

O Colégio das Artes da Universidade de Coimbra (UC) inaugura, na segunda-feira, uma extensão virtual do Museu Estadual Russo, que abre "uma porta para a cultura russa" e para o seu legado.

Dispondo de mais de 400 mil obras de arte, que "abrangem todos os períodos, formas, géneros, escolas e movimentos de arte de ícones antigos, até obras de arte das vanguardas modernistas", o Museu Russo "é o maior museu de arte do mundo", salientou hoje à agência Lusa o diretor do Colégio das Artes, António Olaio.

Com a entrada em funcionamento, em Coimbra, do ramo virtual daquele museu, "abre-se uma porta para a cultura moderna" da Federação Russa enquanto "espaço de liberdade", para, a partir do seu legado, "motivar outros artistas a fazerem outras coisas" ao nível da criação.

"Vamos receber informação diversa e ter acesso a documentação e imagens" do museu, com sede em São Petersburgo, a segunda cidade mais importante do país, a seguir à capital, Moscovo, além da possibilidade de participação em videoconferências, entre outras iniciativas da instituição russa, exemplificou António Olaio.

Encetado com apoio do Centro de Estudos Russos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, o novo projeto cultural permitirá um acesso mais fácil dos estudantes e investigadores portugueses à arte russa de diferentes épocas, salientou.

A inauguração deste ramo virtual do Museu Estadual, no ano em que o centenário da Revolução Russa é assinalado um pouco por todo o mundo, coincide com a assinatura de um protocolo de colaboração entre a UC e o organismo cultural da Federação Russa, na segunda-feira, às 11:00, com a presença do reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva.

Participa também na cerimónia o diretor do Museu Russo, Vladimir Gusev, que proferirá uma conferência.

Aquele que foi o primeiro museu estadual de arte russa, fundado em finais do século XIX, possui quase meio milhão de obras de diferentes períodos e escolas, e abrange autores tão diferentes como Andrei Rublev, Alexander Ivanov, Pavel Antokolsky, Kazimir Malevich, Wassily Kandinsky e Marc Chagal, entre outros.

O protocolo consolida "o estreitamento das relações entre as duas instituições", iniciado com a assinatura de uma Carta de Intenções, em dezembro de 2016, em São Petersburgo, numa cerimónia com a presença do secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, e do seu homólogo russo, além do próprio responsável do Colégio das Artes de Coimbra, António Olaio.

Tópicos:

Estadual Russo, Giel, Russa,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.