Coreógrafa Tânia Carvalho estreia "Onironauta" em Marselha em janeiro de 2020

por Lusa

A coreógrafa portuguesa Tânia Carvalho vai estrear a peça "Onironauta", sobre a capacidade de controlar os sonhos e moldar o seu sentido, na Maison de la Danse, em Marselha, França, em janeiro de 2020, anunciou hoje a produção.

Este novo espetáculo, que irá estrear-se em França, em 23 de janeiro, passará depois, em digressão, por quatro cidades de Portugal: Lisboa, Guimarães, Porto e Viseu.

Em "Onironauta", a coreógrafa coloca em palco sete bailarinos - os onironautas - que são "encarnações físicas de um onirismo sob controlo", os "viajantes capazes de controlar os seus sonhos, de moldar, para eles sozinhos, um mundo de imagens e de sentidos".

"Sete corpos saídos dos limbos amargos de um sono desperto, dirigido e condicionado. O de seu demiurgo, igualmente em cena, Tânia Carvalho, ao piano", indica um texto da produção sobre a nova peça.

Com coreografia e direção de Tânia Carvalho, a música também está a cargo da coreógrafa e de André Santos, enquanto a criação dos figurinos passa igualmente pelas mãos da criadora e de Cláudio Vieira, assim como para o desenho de luz, com Anatol Waschke.

Em palco estarão os bailarinos Bruno Senune, Catarina Carvalho, Cláudio Vieira, Filipe Baracho, Luís Guerra, Marta Cerqueira, e Vânia Doutel Vaz.

Depois da estreia, no dia 23 de janeiro 2020, na Maison de la Danse (Marselha), segue-se, de 30 de janeiro a 02 de fevereiro, a apresentação na Culturgest (Lisboa), a 06 de fevereiro, no Festival Guidance (Guimarães), a 06 e 07 de março, no Teatro Municipal do Porto -- Teatro do Campo Alegre (Porto), e, a 13 de março, no Teatro Viriato (Viseu).

No ano passado, a coreógrafa Tânia Carvalho foi alvo de um ciclo de homenagem sobre os seus 20 anos de carreira, que decorreu com a apresentação das suas criações mais emblemáticas, e novas obras, no Teatro Camões, pela Companhia Nacional de Bailado, o Maria Matos Teatro Municipal e o São Luiz Teatro Municipal.

Tânia Carvalho iniciou aulas de dança clássica aos cinco anos, em 1991 frequentou a Escola Superior de Dança de Lisboa e, em 1997, ingressou no Curso de Intérpretes de Dança Contemporânea Fórum Dança, também na capital portuguesa.

Fez ainda o Curso de Coreografia da Fundação Calouste Gulbenkian, e tem vindo a colaborar em vários trabalhos, tanto em interpretação como criação, como os coreógrafos Luís Guerra de Laocoi, Francisco Camacho, Carlota Lagido, Clara Andermatt, David Miguel, Filipe Viegas e Vera Mantero.

Como coreógrafa e intérprete criou, entre outras, as peças "Danza Ricercata" (2008), "Der Mann Ist Verrückt" (2009), "Olhos Caídos" (2010) e "A Tecedura do Caos" (2014).

É também criadora dos projetos musicais Madmud, Trash Nymph e Moliquentos, e cofundadora do coletivo de artistas Bomba Suicida.

"Onironauta" é uma coprodução Centro Cultural Vila Flor, Culturgest, KLAP Maison Pour la Danse, Teatro Municipal do Porto Rivoli - Campo Alegre, e tem apoio financeiro da Direção-Geral das Artes.

Tópicos