"Distância nas redes sociais tem de ser prioridade" - investigadores

por Lusa

A propagação do novo coronavírus (Covid-19) envolve um risco de desinformação elevado e, por isso, "a distância social nas redes sociais tem também de ser uma prioridade", aconselham os investigadores do MediaLab ISCTE-IUL.

Uma equipa de investigadores do laboratório da universidade pública analisou a forma como os portugueses reagiram ao Covid-19 entre 12 e 15 de março, através das redes sociais e também das pesquisas `online`, tendo identificado "apropriações sociais positivas e negativas" ao longo daquele período.

No relatório, publicado hoje e a que a Lusa teve acesso, refere-se que, antes do anúncio de casos de infeção, houve "uma quase ausência de desinformação".

Porém, depois, "seguiu-se um momento de forte propagação de desinformação via WhatsApp, maioritariamente assente em áudios", registam os investigadores.

Num terceiro momento, verificou-se "a apropriação positiva das redes sociais, via grupos de Facebook, para troca de informação e organização de redes de apoio, etc.", assinalam.

Durante o período em análise, "os meios de comunicação social tornaram-se numa fonte central para alimentar com informação os grupos de Facebook de apoio e partilha de vivências de isolamento social", frisam.

"Os media destacaram-se, igualmente, através de um importante papel de dissuasão e combate à desinformação, através de processos de `fact-checking` [verificação de factos], como no caso do `Polígrafo`/SIC ou do `Observador`, ou via análises de contexto e boas práticas, como no caso do `Diário de Notícias`", exemplificam.

Tal não significa que todos os meios de comunicação social tenham ficado imunes à desinformação. Por exemplo, "alguns" tomaram como válida a informação, falsa, de que os "Hotéis de Cristiano Ronaldo" seriam usados para apoiar o combate à propagação do vírus.

O MediaLab aponta as "lições" a reter durante a pandemia: "a desinformação de saúde parece assentar na passagem de falsidades associadas à credibilidade que as profissões de saúde têm na sociedade portuguesa, nomeadamente a profissão médica".

As mensagens realizadas por profissionais de saúde, reais ou falsos, "atingem dimensões de partilha virais porque, para o cidadão comum, uma mensagem partilhada no WhatsApp por um profissional de saúde assume o mesmo peso de autoridade do que aquele que ocorre numa consulta ou interação face a face", comparam.

A segunda lição é que, "se no Facebook, Twitter e Instagram pode existir moderação, e a desinformação pode ser retirada pelas redes sociais e deixar de estar disponível, tal não ocorre no WhatsApp, devido à falta de moderação", alertam.

Assim, "a melhor forma de contrariar a desinformação" é individual, "ter cautela e espírito crítico", aconselham.

"Devemos manter uma distância mental das mensagens que recebemos. Se parámos de cumprimentar com apertos de mão e beijos quem conhecemos, porque haveremos de partilhar mensagens que nos chegam só porque vêm de pessoas conhecidas?", questionam.

A utilização das redes sociais "tem consequências", sobretudo em tempos de crise. E "passar mensagens que dizem que `tudo está descontrolado`, que `há mortos`, que `tudo vai fechar` ou outras semelhantes nada ajuda: nem o próprio, nem ninguém", avisam.

Por outro lado, as redes sociais têm tido também "apropriações positivas", por exemplo servindo para partilhar "práticas informativas de entreajuda".

Só as próximas semanas e meses poderão dizer que tendência prevalecerá, concluem os investigadores.

Tópicos
pub