Documentário "Entre a Casa e do Corpo" sobre formação em dança estreia-se hoje

| Cultura

O documentário "Entre a Casa e o Corpo", do realizador João Barroso, sobre o trabalho de formação da Escola Superior de Dança (ESD), estreia-se hoje, às 18:00, na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa.

Criada há 30 anos como unidade orgânica do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL), a ESD desenvolve a sua ação nos domínios da formação superior em dança e tem sido um polo criativo por onde passaram muitos profissionais de dança em Portugal.

Partindo de testemunhos de profissionais que fizeram e fazem parte da instituição, o filme procura retratar a vida na escola, pensada como espaço para a experimentação artística. A ESD tem instalações na rua de O Século, em Lisboa, no palácio que foi residência do Marquês de Pombal, na capital portuguesa.

"Do toque dos corpos nascem relações vitalícias entre os que ocupam o Palácio Pombal da rua de O Século, e lutam contra as adversidades do desinvestimento da cultura e educação pela arte. Indivíduos, pessoas, amigos, cujas histórias se cruzam para traçar o círculo da dança do nosso país", refere uma nota de imprensa da ESD sobre o filme.

"Entre a Casa e o Corpo" tem som e imagem de André Afonso, entrevistas realizadas por Teresa Vieira e Sofia Felgueiras e música de Pedro Finisterra, James Blackshaw & Lubomyr Melnik, Zoe Keating.

O filme contou com os apoios da Escola Superior de Dança (ESD), da Escola Superior de Comunicação Social (ESCS), da Escola Superior de Música de Lisboa (ESML) e da Companhia Nacional de Bailado (CNB).

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.