Exposição "A Cidade Global" é inaugurada hoje no Museu de Arte Antiga

| Cultura

A exposição "A Cidade Global - Lisboa no Renascimento", que pretende reconstituir o coração da cidade mais global da Europa, é inaugurada hoje, às 18:30, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, envolta em polémica.

A abertura da exposição sobre Lisboa renascentista - que revela uma capital no apogeu da globalização da época, devido aos descobrimentos portugueses - deverá reunir 250 peças, desde pintura, escultura, artes decorativas e até animais empalhados.

A inauguração fica marcada por duas polémicas, uma ligada ao adiamento da exposição, por duas vezes, por razões administrativas, e a segunda, pelas notícias do semanário Expresso sobre a existência de pinturas alegadamente falsas na exposição.

O semanário publicou dois artigos nos quais os historiadores Diogo Ramada Curto e João Alves Dias levantavam dúvidas sobre a autenticidade dos quadros "A Rua Nova dos Mercadores", ponto de partida da exposição, e de "O Chafariz d`El-Rei", que apresentam cenários da Lisboa do século XVI, e são fundamentais na estruturação da exposição da mostra.

O diretor do museu, António Filipe Pimentel, sustentou, na quarta-feira, numa conferência de imprensa, que as obras são "excecionais e credíveis", mas que será avaliada a hipótese de se fazerem análises laboratoriais, se for conseguida a autorização dos proprietários.

"A Rua Nova dos Mercadores", que os investigadores têm situado entre 1590 e 1610, está dividida em dois painéis, e é propriedade da Society of Antiquaries of London, enquanto "O Chafariz d`El-Rei" terá sido pintado entre 1570 e 1580, e pertence à coleção de José Berardo.

Em declarações à Lusa, António Filipe Pimental sustentou que "as pinturas são inquestionavelmente antigas, exatamente da data em que foram feitas. Se foi em 1590 ou 1610 não sabemos, nem era essa a nossa preocupação, mas são testemunhos coevos da Lisboa de então".

Pintura, astrolábios, livros, animais empalhados, porcelanas, caixas decoradas com madrepérola, rosários, tapeçarias, azulejos e mobiliário são algumas das peças que podem ser vistas nesta exposição até 9 de abril.

Tópicos:

Chafariz El, Pimentel, Society Antiquaries London,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.