Filmes de Gabriel Abrantes e Duarte Coimbra na Semana da Crítica em Cannes

| Cultura

|

Os filmes "Diamantino", de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, e "Amor, Avenidas Novas", de Duarte Coimbra, foram selecionados para a Semana da Crítica do Festival de Cannes, em Maio, foi hoje anunciado.

A 57.ª Semana da Crítica de Cannes, um dos programas paralelos do festival francês, decorrerá de 9 a 17 de Maio e o júri é presidido pelo realizador dinamarquês Joachim Trier.

Gabriel Abrantes e o realizador norte-americano Daniel Schmidt competirão com a longa-metragem de ficção "Diamantino", centrada num jogador de futebol, protagonizado por Carloto Cotta. Do elenco desta coprodução entre Portugal, Brasil e França fazem parte ainda Cleo Tavares e as irmãs Anabela e Margarida Moreira.

Os dois realizadores têm trabalhado juntos nos últimos anos em filmes como "Tristes Monroes" (2017) e "A History of Mutual Respect" (2010).

Na competição de curtas-metragens estará presente "Amor, Avenidas Novas", ficção de Duarte Coimbra feita em contexto escolar e produzida pela Escola Superior de Teatro e Cinema.

Esta será a estreia internacional, uma vez que "Amor, Avenidas Novas" será exibido semanas antes no festival IndieLisboa, onde integra em simultâneo as competição nacional e internacional de curta-metragem.

A abertura da Semana da Crítica ficará por conta de "Wildlife", primeiro filme do ator e realizador norte-americano Paul Dano, protagonizado por Carey Mulligan, enquanto o encerramento será com "Guy", do francês Alex Lutz.

Criada em 1962 para revelar novos talentos, a Semana da Crítica de Cannes é uma iniciativa do Sindicato Francês dos Críticos de Cinema.

Tópicos:

Crítica Cannes Cannes, Daniel Schmidt, History,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.