Lisboa recebe a partir de hoje festival de cinema FESTin dedicado às mulheres

| Cultura

O Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa - FESTin dedica às mulheres a oitava edição, que hoje começa em Lisboa, numa parceria com a programação da Capital Ibero-Americana de Cultura.

As responsáveis pelo festival, Adriana Niemeyer e Leia Teixeira, anunciaram, em conferência de imprensa no começo de fevereiro, que o FESTin contará com a exibição de mais de 70 filmes, entre hoje e a próxima semana no cinema São Jorge.

Por ser dedicado às mulheres e à relação com o cinema e audiovisual, destacam-se os documentários "Langidila, diário de um exílio sem regresso" (Angola), de José Rodrigues e Nguxi dos Santos, sobre a nacionalista Deolinda Rodrigues, e "Mulheres que cuidam de mulheres" (Brasil), de Otavio Chamorro e Fábio Brasil.

Haverá ainda uma retrospetiva da obra da realizadora portuguesa Margarida Gil e a exibição de "Migas de pan" (Espanha e Uruguai), de Manane Rodriguez, no âmbito de Lisboa, Capital Ibero-Americana de Cultura.

A encerrar o festival, no Dia Internacional da Mulher, será exibido "Elis", de Hugo Prata, sobre a cantora brasileira Elis Regina e protagonizado pela atriz Andreia Horta, que estará em Lisboa.

Da programação geral sobressaem sobretudo filmes brasileiros, em particupar primeiras longas-metragens, como "Animal político", de Tião - cujas curtas-metragens foram já exibidas em Cannes -, "Come back", de Erico Rossi, e "Para ter onde ir", de Jorane Castro.

Destaque ainda para a exibição de "Quase memória", de Ruy Guerra, moçambicano radicado no Brasil, que conta com as interpretações de Tony Ramos e Mariana Ximenes, estando confirmada a presença da atriz em Lisboa, dias depois de passar pelo Fantasporto.

O cinema português está representado no FESTin através de, entre outras, duas longas-metragens: "A floresta das almas perdidas", filme de terror de José Pedro Lopes, e "Uma vida à espera", de Sérgio Graciano.

O FESTin é organizado pela Associação Cultura e Cidadania da Língua Portuguesa.

Tópicos:

Cannes Come, Deolinda, Erico Rossi, FESTin, Leia, Otavio Chamorro, Ruy, Sérgio Graciano, Uruguai Manane Rodriguez,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevista exclusiva de Rui Rio à editora de política da RTP Luísa Bastos.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.