O regresso "fantástico" de Guillermo del Toro a Bruxelas

| Cultura

O realizador mexicano Guillermo del Toro regressou hoje como um herói ao Festival Internacional de Cinema Fantástico de Bruxelas (BIFFF) e fascinou a audiência com uma viagem pela sua cinematografia, na qual não faltaram confissões nem canções.

A expectativa para o encontro com a `estrela maior` da 36.ª edição do BIFFF era grande. Os bilhetes, esgotados há dias, voaram das bilheteiras, e hoje, mais de uma hora antes do aclamado realizador mexicano iniciar a sua `masterclass`, já uma pequena multidão se aglomerava junto ao Cine 1 do Bozar, o espaço que, por estes dias, acolhe o festival.

A longa espera, vibrante de entusiasmo -- a plateia `chamou` Del Toro com palmas compassadas, gritou quando este foi anunciado e explodiu num aplauso apoteótico quando entrou em palco -, valeria a pena: desafiado pelo apresentador, o vencedor do Óscar de melhor realizador em 2018 agarrou no microfone e cantou a `ranchera` "Cielito Lindo", com o público a acompanhá-lo no conhecidíssimo verso "Canta y no llores".

Descontraído, o realizador de "A Forma da Água", vencedor do Óscar de melhor filme de 2018, de "Hellboy", de "O Labirinto do Fauno", e um `habitué` neste festival, recordou como começou o seu idílio com o cinema. "Quando era um miúdo, pensava que o cinema era algo que acontecia, não sabia que era uma profissão", disse, revelando que, um dia, descobriu a câmara do pai e filmou os brinquedos "a matarem-se uns aos outros".

"Quando o projetei, pensei que era a coisa mais bonita de sempre".

O amor pelo cinema pegou e levou-o a superar os obstáculos que encontrou num México que olhava para os filmes, sobretudo os seus, com desconfiança, uma atitude que nem a atribuição do Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes ao filme "Cronos" (1993) -- "há mais de 30 anos que nenhum filme mexicano ganhava" -- mudou.

Del Toro saltitou entre temas, espraiando-se sobre a importância da alquimia nos seus filmes, visível desde o primeiro, "Cronos", até ao mais recente a estrear, "A Forma da Água", salientando que o papel da arte é dizer "fuck you world" e que o segredo da imortalidade é não pensar na morte.

"A beleza da arte é que não é permanente. Se fosse, seria triste. Não é permanente, mas é capturada em filme", pontuou, antes de disparar um novo lema: "Penso que as causas perdidas são as únicas pelas quais vale a pena lutar".

Verdadeiro herói para uma plateia que o escutou embevecida e muda, sem espreitar o telemóvel ou ceder à tentação das fotografias, o realizador mexicano arrancou gargalhadas ao imitar as vozes de personagens dos seus filmes, incluindo sons de animais e criaturas, ao referir-se ao seu excesso de peso e gosto pela comida, ou ao enumerar serenamente os seus fracassos.

"Houve cinco ou seis vezes que disse que ia deixar o cinema. Por três vezes, enquanto filmava, disse que aquele era o meu último filme, incluindo em `A Forma da Água`", confessou.

O mexicano, de 53 anos, assumiu que as críticas negativas e o insucesso de "Crimson Peak" (2015) lhe partiram o coração.

"As pessoas pensam que não, mas magoa-nos mesmo", completou, antes de refutar as críticas daqueles que o acusam de só saber fazer obras de cinema fantástico: "Não critiquem uma videira por dar uvas. Passaram 25 anos, já deviam ter percebido que não deviam procurar-me, caso não gostem de uvas".

Tópicos:

Cine, Fantástico, Guillermo Toro, Labirinto,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.