Paul Auster na "shortlist" do Booker Prize deste ano

| Cultura

|

O júri do The Man Booker Prize anunciou esta quarta-feira os seis finalistas ao prémio que distingue anualmente uma obra literária escrita em Língua Inglesa e publicado em Inglaterra. O americano Paul Auster é o escritor mais conhecido desta lista com "4 3 2 1". O vencedor será anunciado a 17 de outubro.

Além de Paul Auster, integram a shortlist deste ano Emily Fridlund (“History of Wolves”), Mohsin Hamid (“Exit West”), Fiona Mozley (“Elmet”), George Saunders (“Lincoln in the Bardo”) e Ali Smith (“Autumn”).

“Muitas questões expostas. Muitos problemas estimulantes explorados”, é assim que a presidente do júri, Lola Young, se refere às obras finalistas num vídeo disponível na página oficial do The Man Booker Prizes.O vencedor do The Man Booker Prize será anunciado a 17 de outubro.

“Eles [os candidatos] estão realmente a esticar os limites sobre o que significa ser um escritor e o que diz o romance sobre o que o mundo é nos dias de hoje”, refere Lila Azam Zanganeh, escritora franco-iraniana, membro do júri do Booker deste ano.

“4 3 2 1”, de Paul Auster, trata a vida de Archibald Isaac Ferguson, nascido em 1947. A vida deste protagonista vai passar “por quatro caminhos ficcionais independentes e simultâneos”. No fundo, a vida de “quatro rapazes que são o mesmo rapaz”.

Emily Fridlund, com “History of Wolves”, conta a vida de Linda, de 14 anos, que vive numa comunidade que está a morrer, sendo ela e os seus pais praticamente os únicos habitantes. Um dia, chega uma família ao lado oposto do lago onde vive e com quem se começa a relacionar. Paul Auster, um escritor com décadas de carreira e dezenas de livros, é o finalista mais conhecido desta shortlist. Marcou presença no último domingo no Festival Internacional de Cascais.

“Exit West” é o título da obra de Mohsin Hamid, que trata um romance a acontecer entre Saeed e Nadia numa cidade absorvida por refugiados. Os dois tentam encontrar o seu lugar no meio de uma guerra iminente.

Com “Elmet”, Fiona Mozley faz um “comentário lírico à sociedade inglesa contemporânea, tratando a vida de uma família em condições precárias, bem como uma exploração profunda de até onde a relação entre pai e filho pode ir”.

“Lincoln in the Bardo”, de George Saunders, é um thriller que explora “a morte, o luto e o significado profundo e as possibilidades da vida”.

Por último, Ali Smith, com “Autumn”, aborda um “mundo cada vez mais limitado e exclusivo (...) o que são a riqueza e o valor”.

O júri é composto pela presidente Lola Young, antiga professora de Estudos Culturais na Universidade de Middlesex e responsável máxima da Greater London Authority, Lila Azam Zanganeh, Sarah Hall, Tom Phillips e Colin Thubron.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.