Paul Auster na "shortlist" do Booker Prize deste ano

| Cultura

|

O júri do The Man Booker Prize anunciou esta quarta-feira os seis finalistas ao prémio que distingue anualmente uma obra literária escrita em Língua Inglesa e publicado em Inglaterra. O americano Paul Auster é o escritor mais conhecido desta lista com "4 3 2 1". O vencedor será anunciado a 17 de outubro.

Além de Paul Auster, integram a shortlist deste ano Emily Fridlund (“History of Wolves”), Mohsin Hamid (“Exit West”), Fiona Mozley (“Elmet”), George Saunders (“Lincoln in the Bardo”) e Ali Smith (“Autumn”).

“Muitas questões expostas. Muitos problemas estimulantes explorados”, é assim que a presidente do júri, Lola Young, se refere às obras finalistas num vídeo disponível na página oficial do The Man Booker Prizes.O vencedor do The Man Booker Prize será anunciado a 17 de outubro.

“Eles [os candidatos] estão realmente a esticar os limites sobre o que significa ser um escritor e o que diz o romance sobre o que o mundo é nos dias de hoje”, refere Lila Azam Zanganeh, escritora franco-iraniana, membro do júri do Booker deste ano.

“4 3 2 1”, de Paul Auster, trata a vida de Archibald Isaac Ferguson, nascido em 1947. A vida deste protagonista vai passar “por quatro caminhos ficcionais independentes e simultâneos”. No fundo, a vida de “quatro rapazes que são o mesmo rapaz”.

Emily Fridlund, com “History of Wolves”, conta a vida de Linda, de 14 anos, que vive numa comunidade que está a morrer, sendo ela e os seus pais praticamente os únicos habitantes. Um dia, chega uma família ao lado oposto do lago onde vive e com quem se começa a relacionar. Paul Auster, um escritor com décadas de carreira e dezenas de livros, é o finalista mais conhecido desta shortlist. Marcou presença no último domingo no Festival Internacional de Cascais.

“Exit West” é o título da obra de Mohsin Hamid, que trata um romance a acontecer entre Saeed e Nadia numa cidade absorvida por refugiados. Os dois tentam encontrar o seu lugar no meio de uma guerra iminente.

Com “Elmet”, Fiona Mozley faz um “comentário lírico à sociedade inglesa contemporânea, tratando a vida de uma família em condições precárias, bem como uma exploração profunda de até onde a relação entre pai e filho pode ir”.

“Lincoln in the Bardo”, de George Saunders, é um thriller que explora “a morte, o luto e o significado profundo e as possibilidades da vida”.

Por último, Ali Smith, com “Autumn”, aborda um “mundo cada vez mais limitado e exclusivo (...) o que são a riqueza e o valor”.

O júri é composto pela presidente Lola Young, antiga professora de Estudos Culturais na Universidade de Middlesex e responsável máxima da Greater London Authority, Lila Azam Zanganeh, Sarah Hall, Tom Phillips e Colin Thubron.

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.