Portugueses First Breath After Coma nomeados para prémio europeu Álbum do Ano

| Cultura

O disco "Drifter" dos portugueses First Breath After Coma está nomeado para o prémio de Álbum do Ano da IMPALA (Associação de Empresas de Música Independente/Independent Music Companies Association), foi hoje anunciado.

A lista dos 25 álbuns nomeados, de 19 países, à sétima edição do prémio Álbum do Ano da IMPALA foi hoje divulgada na página oficial daquela associação, na Internet.

A lista de nomeados inclui, entre outros, "A Moon Shaped Pool", dos Radiohead, "Freetown Sound", de Blood Orange, "Mechanics", de Jolly Mare, e "Gewoon Boef", de Boef.

"Mais uma vez a seleção sublinha a diversidade e qualidade das editoras independentes de toda a Europa. Este ano estão nomeados 25 álbuns e representados 19 países", lê-se no site da IMPALA.

"Drifter", dos First Breath After Coma, foi editado pela Omnichord Records. O disco, que contou com colaborações de noiserv e André Barros, é o segundo de originais da banda de Leiria e foi parcialmente financiado por fãs, através de `crowdfunding` (financiamento colaborativo).

Os First Breath After Coma são Roberto Caetano (voz), Telmo Soares (guitarra e voz), Rui Gaspar (baixo e voz), Pedro Marques (bateria e voz) e João Marques (teclas).

No ano passado, a IMPALA distinguiu "Vestiges & Claws", de Jose Gonzalez, com o prémio de Álbum do Ano.

O vencedor deste ano será anunciado no final do mês.

Tópicos:

First Breath After Coma Roberto Caetano, IMPALA Drifter, Moon Shaped Pool Radiohead Freetown Sound Blood Orange Mechanics Jolly,

A informação mais vista

+ Em Foco

É impossível passar ao lado de um marco temporal como o dos 100 dias, alvo de tantas avaliações e balanços por parte da imprensa.

    Em entrevista à Antena 1, o Presidente da República diz que o crescimento da economia é o que mais o preocupa agora.

    A RTP agrupa as sondagens disponíveis e traça as tendências do eleitorado para a derradeira votação da eleição presidencial francesa.

      A Associação Adeptos dos Sonhos canalizava 90% do dinheiro recolhido em ações de caridade para uma empresa do namorado da presidente.