Quatro mil pessoas foram à Caldeira Velha nos primeiros dez dias após reabertura

| Cultura

Um total de 3.993 pessoas foram à Caldeira Velha, na Ribeira Grande, nos primeiros dez dias após a reabertura do monumento depois de um período de obras, indicou hoje à agência Lusa fonte do Governo dos Açores.

Do total de visitas, 3.364 foram de pessoas não residentes nos Açores, ao passo que foram 629 os moradores na região que se deslocaram ao Monumento Natural da Caldeira Velha, precisou a mesma fonte.

Desde a reabertura, em 10 de fevereiro, que os residentes nos Açores têm entrada gratuita na Caldeira Velha.

O Monumento Natural da Caldeira Velha, que contém uma cascata de água férrea, esteve encerrado duramente três semanas para obras de beneficiação na ordem dos 150 mil euros.

"Limpámos e impermeabilizámos os fundos dos tanques, há uma nova zona de banhos, temos também dez vestiários e temos agora 90 cacifos também para promover maior conforto a quem nos visita. Também limpámos e retirámos muitas espécies invasoras de todo o espaço, algumas árvores de maior porte que apresentavam algum perigo também foram retiradas e plantámos mais de três mil endémicas", declarou a secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Guerreiro, na fase final das obras.

Em 14 de novembro de 2017 foi anunciado que a Caldeira Velha ia regressar à tutela do Governo Regional, que denunciou o protocolo para a conservação e manutenção do espaço assinado com a Câmara da Ribeira Grande, a 19 de janeiro de 2012.

O Monumento Natural da Caldeira Velha, muito procurado por turistas, foi classificado em 2004 e integra, desde 2008, o Parque Natural de São Miguel.

Tópicos:

Caldeira Velha Ribeira, Câa Ribeira, Horta,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.