Um par de poemas inéditos no Dia Mundial da Poesia

Assinala-se esta terça-feira mais um Dia Mundial da Poesia. Leia e escute aqui dois poemas inéditos de dois autores portugueses - Alexandre O'Neill e Mário-Henrique Leiria - que serão publicados em breve.

| Cultura

A obra Poesias Completas e Dispersos, com alguns poemas inéditos de Alexandre O'Neill, será publicada no próximo mês de abril. Organizada por Maria Antónia Oliveira, estará disponível nas livrarias a partir de dia 6.

Requeixa de Taveirós

Como eu, mais nenhum outro
foi tão crédulo e tão louco
de se confiar em vós,
senhora branca e vermelha. 

Franzis-me essa sobrancelha
com altivez e altavoz.
Nem por isso possuís
razão por vós.

Nem de razão é o assunto,
mas de coração, talvez.
Aqui não entra bestunto,
por esta vez.

Dizeis-me, o que eu já sabia,
que é melhor sofrer poesia,
pensando em vós,
que alimentar veleidade
de possuir vossa carne
e arrastar-vos, empós,
ao tumulto dos sentidos
que entreteve e entretém
mortos e vivos.

E quem assim desassisa
a Deus pede que o assista.

Rogai por nós!

Alexandre O'Neill, 1985


Mais tarde, em março de 2018, será também publicado um volume com toda a obra poética de Mário-Henrique Leiria, que incluirá poemas inéditos do surrealista português, que morreu em 1980.

Uma das Liberdades

Um pequeno coelho
a correr
com o desespero
entre as pernas

e a erva a crescer

um cão babando
a correr
com a obediência
entre as pernas

e a erva a passar

um caçador rindo
a correr
com a espingarda
entre a morte

e a erva a fugir

um tiro gritando
a parar
com o caçador
entre o estômago

e a erva a esperar

um pequeno coelho
a correr
com a liberdade
entre as pernas

e a erva a sorrir

Mário-Henrique Leiria, 20 de agosto de 1972

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.