Um par de poemas inéditos no Dia Mundial da Poesia

Assinala-se esta terça-feira mais um Dia Mundial da Poesia. Leia e escute aqui dois poemas inéditos de dois autores portugueses - Alexandre O'Neill e Mário-Henrique Leiria - que serão publicados em breve.

| Cultura

A obra Poesias Completas e Dispersos, com alguns poemas inéditos de Alexandre O'Neill, será publicada no próximo mês de abril. Organizada por Maria Antónia Oliveira, estará disponível nas livrarias a partir de dia 6.

Requeixa de Taveirós

Como eu, mais nenhum outro
foi tão crédulo e tão louco
de se confiar em vós,
senhora branca e vermelha. 

Franzis-me essa sobrancelha
com altivez e altavoz.
Nem por isso possuís
razão por vós.

Nem de razão é o assunto,
mas de coração, talvez.
Aqui não entra bestunto,
por esta vez.

Dizeis-me, o que eu já sabia,
que é melhor sofrer poesia,
pensando em vós,
que alimentar veleidade
de possuir vossa carne
e arrastar-vos, empós,
ao tumulto dos sentidos
que entreteve e entretém
mortos e vivos.

E quem assim desassisa
a Deus pede que o assista.

Rogai por nós!

Alexandre O'Neill, 1985


Mais tarde, em março de 2018, será também publicado um volume com toda a obra poética de Mário-Henrique Leiria, que incluirá poemas inéditos do surrealista português, que morreu em 1980.

Uma das Liberdades

Um pequeno coelho
a correr
com o desespero
entre as pernas

e a erva a crescer

um cão babando
a correr
com a obediência
entre as pernas

e a erva a passar

um caçador rindo
a correr
com a espingarda
entre a morte

e a erva a fugir

um tiro gritando
a parar
com o caçador
entre o estômago

e a erva a esperar

um pequeno coelho
a correr
com a liberdade
entre as pernas

e a erva a sorrir

Mário-Henrique Leiria, 20 de agosto de 1972

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.