Universidade de Coimbra inaugura `data center` que alberga supercomputador

por Lusa

A Universidade de Coimbra (UC) inaugurou hoje o novo centro de processamento de dados, um `data center` que alberga o supercomputador da instituição, que tem uma capacidade de processamento equivalente a dois mil computadores pessoais.

O Navigator, o supercomputador do Laboratório de Computação Avançada da UC, já estava na universidade há cerca de quatro anos, mas só agora, com o novo `data center`, poderá ser usado na sua plenitude, explicou aos jornalistas o coordenador do laboratório, Pedro Vieira Alberto, durante a inauguração do espaço.

As obras para o centro de processamento de dados duraram quase cinco anos e consistiram em modernizar o espaço, aumentar a sua potência e área, bem como as condições de segurança, climatização e capacidade de armazenamento, num investimento de 2,2 milhões de euros, com o apoio de fundos europeus e da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

Com 164 servidores e 3.936 núcleos de processamento, o Navigator é "o maior instalado" no país, sublinhou Pedro Vieira Alberto, referindo que este sistema está agora a necessitar de uma atualização visto que as exigências e a complexidade dos dados a processar vão sempre aumentando.

No entanto, vinca, o supercomputador "é 40 vezes mais rápido do que o anterior sistema", sendo que tem e terá várias aplicações, seja na área da química, biologia, diferentes ramos da física (das altas energias à astrofísica) ou da medicina.

"Um genoma humano são centenas de gigabytes. É preciso uma grande capacidade de processamento", notou o coordenador do laboratório, considerando que se abre uma perspetiva de colaboração com hospitais, nomeadamente nesta área.

Outra das possibilidades - já em uso - é a utilização do supercomputador para a simulação de incêndios, numa parceria com a Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), coordenada por Xavier Viegas.

Durante a sessão de inauguração, o reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, salientou que aquele espaço foi alvo de "sucessivos remendos", sendo que o que havia antes destas últimas obras "era um verdadeiro ninho de ratos", incapaz "de responder às necessidades" da universidade.

Formado em Engenharia Eletrotécnica, o reitor recordou que o computador que usava em 1975, enquanto estudante, demorava "alguns dias" para se calcular uma raiz quadrada.

"Hoje, um telemóvel rasca tem mais poder de cálculo do que esse computador", disse.

Tópicos
pub