Utilização da Altice Arena vai custar mais de dois milhões de euros

| Cultura

A Câmara de Lisboa prevê gastar mais de dois milhões de euros com a utilização da Altice Arena para a Eurovisão, aos quais acrescem 160 mil euros para o Pavilhão de Portugal, segundo uma proposta a apreciar na quinta-feira.

A Câmara Municipal prevê, no total, uma verba de cinco milhões de euros para a organização da Eurovisão -- "que representa cerca de 1/3 dos custos da organização" -, dos quais 2,8 milhões serão transferidos para a RTP, segundo o protocolo a celebrar entre o município, a estação pública de televisão e a Associação de Turismo de Lisboa (ATL).

Este protocolo, ao qual a agência Lusa teve acesso, é anexo à proposta que será apreciada pelo executivo em reunião privada.

Do valor adjudicado à RTP, consta a "contratação da cedência do espaço principal para realização do Evento (Altice Arena), com um valor estimado de 2.042.000,00 euros (dois milhões e quarenta e dois mil euros), acrescidos de IVA".

No mesmo orçamento está prevista também a "contratação da cedência de outros espaços acessórios, para apoio à produção e eventos laterais, entre os quais o Pavilhão de Portugal, no Parque das Nações, num valor estimado de 160.000,00 euros (cento e sessenta mil euros), acrescidos de IVA".

Estão previstos ainda "outros serviços adicionais, designadamente o suporte, na totalidade ou em parte, de obras de adaptação dos referidos espaços inerentes às infraestruturas físicas que a execução dos projetos determinar, nos termos do Host Broadcaster Agreement (HBA), celebrado entre a RTP e a EBU", União Europeia de Radiodifusão (na sigla em inglês, EBU).

O protocolo prevê também a transferência de 150 mil euros para a ATL, "com vista a suportar os encargos com o apoio na organização dos programas sociais destinados às delegações, à imprensa internacional e fãs devidamente acreditados".

O município irá afetar ainda 2,050 milhões de euros para a "comunicação e promoção do evento", e a organização dos eventos associados (como a Cerimónia de Passagem de Testemunho em Lisboa, o Eurovision Village e a Cerimónia de Abertura - Red Carpet e Wellcome Reception).

O valor destina-se ainda à "emissão de quaisquer licenças e/ou autorizações, de âmbito municipal, necessárias à organização e produção de todos os eventos referidos", e o "apoio nas componentes de segurança e de trânsito, no âmbito da organização dos eventos".

"A RTP e a ATL obrigam-se a apresentar ao município de Lisboa os comprovativos das despesas efetuadas no âmbito do presente protocolo, cujas verbas sejam suportadas pelo Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa", acrescenta o texto.

O protocolo refere também ser "prática nas várias edições do Festival Eurovisão da Canção haver um forte envolvimento da autarquia e das organizações de turismo da cidade que o acolhe, razão pela qual a colaboração do município de Lisboa e da ATL, na preparação e realização do evento, constitui um fator essencial para o seu sucesso e permite a projetar a capital portuguesa como o destino turístico de excelência que é, promovendo Lisboa e Portugal, através da televisão, numa oportunidade única".

A proposta, assinada pelo vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, salienta que, "para a edição de 2018, são estimados perto de 30.000 visitantes, dos quais 27.000 provenientes do estrangeiro, e um impacto económico de cerca de 25,6 milhões de euros".

A final da Eurovisão decorre a 12 de maio, na Altice Arena, e as semifinais realizam-se nos dias anteriores, 08 e 10 de maio. Portugal será representado por Cláudia Pascoal, que ganhou o Festival da Canção com o tema "O Jardim".

Tópicos:

Eurovisão,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.