Westway Lab Festival arranca hoje com "edição aumentada" mas fiel ao fator criação

por Lusa

O Westway Lab Festival, em Guimarães, arranca hoje numa "edição aumentada", com mais concertos, mais dias, mais palcos e "incorpora novas áreas", mas mantendo-se fiel ao "grande fator de diferenciação" do evento, a criação.

Em declarações à Lusa, o responsável pelo festival, que decorre até dia 08, Rui Torrinha, explicou que em 2017 as novidades passam pela abertura do evento a quatro novos espaços (Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Convívio Associação Cultural, Bar da Ramada e All Guimarães), e a colaboração com o festival norte-americano South by Southwest Festival (SXSW), que traz a Guimarães três "curtas".

"Temos uma edição aumentada, com mais concertos, mais dias e mais número de palcos, mas assente nos três pilares que deram origem ao Westway Lab: processo, pensamento e produto", apontou o responsável.

O cartaz promete 20 concertos, sendo que 15 têm acesso gratuito, Residências Artísticas, Conferências PRO, Talks e Showcases, que reunem em Guimarães nomes como Sara Thorstensson e Linda Brandemark, da BILDA, Mattias Tell, do KulturUngdom, nomes da música como Jaran, com Yafeni, e Buslav, com Urso Bardo, Adée, Ohrn, Joel Sarakula, Cristóvam, Maybe Canada, The Jools, Serushiô e Vienna Ditto, Papercuts ou os You Can`t Win, Charlie Brown, entre outros.

O festival arranca hoje com as Residências Artísticas que tiveram lugar no Centro de Criação de Candoso (CCC), entre 27 de março e 04 de abril, "um dos vetores mais distintivos do festival", cujo resultado é dado a conhecer ao público nos `Showcases` que terão lugar no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

As Conferências PRO, que acontecem no Palácio Vila Flor, "redobram os seus esforços para incentivar a partilha de conhecimento do mercado da música entre profissionais de topo e as comunidades de artistas, nacionais e internacionais", e têm um momento alto com a deslocação a Guimarães de Mirko Whitfield, representante europeu do SXSW, e de Claudette Godfrey, da SXSW Film.

Ainda esta noite, o palco do CCVF está reservado para as atuações de Jaran com Yafeni e Buslav com Urso Bardo e, terminados estes `showcases`, segue-se o concerto dos The Mondanes, "um dos mais excitantes novos projetos da cena musical sueca".

Quinta-feira, no mesmo local, decorrem as atuações dos The Courettes com Nick Suave, seguidos de Pedro Coquenão (Batida) com Guillermo (Primitive Reason) e com Juju (Terrakota), seguindo-se os noruegueses Yuma Sun, que tomam conta do Café Concerto.

Na sexta-feira, às 22:00, o Grande Auditório do CCVF recebe um "espetáculo único": Quest, projeto de Joana Gama e Luís Fernandes, que cruza o piano e a eletrónica e que se apresenta com uma nova colaboração, desta vez com a Orquestra de Guimarães.

No mesmo dia, às 23:00, chega da Polónia Buslav para apresentar o seu disco de estreia no Café Concerto do CCVF.

Às 22:30, a festa recomeça no Grande Auditório do CCVF, onde se aguarda uma dose dupla de concertos: You Can`t Win, Charlie Brown que apresentam o seu último disco, "Marrow", e os XIXA, provenientes de Tucson, nos Estados Unidos.

A quarta edição do Westway Lab Festival termina sábado com a atuação dos Papercutz que trazem na bagagem o novo álbum de originais, "King Ruiner".

A programação completa pode ser consultada no sítio na internet do CCVF, em www.ccvf.pt

Tópicos