Adega de Ponte da Barca planeia investir cinco milhões em novas instalações

| Economia

A Adega Cooperativa de Ponte da Barca e Arcos de Valdevez planeia construir novas instalações a um quilómetro das atuais e calcula que o investimento necessário ronde os cinco milhões de euros.

"O nosso objetivo é fazer lá, na nova adega, os vinhos da vindima de 2021", disse à agência Lusa o diretor de Marketing da organização, Bruno Almeida, explicando que "atual linha de engarrafamento e rotulagem não consegue satisfazer as encomendas recebidas".

O mesmo responsável adiantou que "está a ser feito nesta altura o estudo de viabilidade económica", admitindo que em maio haverá novidades sobre o projeto.

A nova adega ficará num terreno situado em Vila Nova de Muía, incluirá ainda "uma forte vertente de enoturismo", algo hoje inexistente, e "parte da sua construção será financiada por fundos comunitários".

Com perto de mil associados, a Adega de Ponte da Barca exportou "cerca de 45 por cento da sua produção em 2018 para 30 países e entre os principais mercados externos contam-se os Estados Unidos, o Brasil, o Equador, a Polónia e a Rússia.

"O crescimento médio anual das exportações nos últimos cinco anos foi de 12 por cento", destacou Bruno Almeida, referindo que o objetivo passa por "crescer a esse ritmo até 2022".

O diretor disse ainda que esta adega cooperativa aposta forte "em mercados novos", preparando-se para entrar no Peru, México e Vietname, e registou "um crescimento abaixo dos cinco por cento a nível interno".

A empresa vendeu três milhões de garrafas e faturou 4,5 milhões de euros em 2018, prevendo para este ano receitas de "5,1 milhões de euros".

Constituída em 1963, a Adega de Ponta da Barca iniciou a sua atividade em 1968 e celebrou os seus 50 anos com a apresentação pública da nova identidade corporativa e o lançamento de um vinho da casta loureiro, em homenagem aos seus associados.

Bruno Almeida, ex-quadro da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), salientou que a instituição quis aproveitar celebração do seu cinquentenário para "fazer uma viragem", na expectativa de assim "aumentar a notoriedade da sua marca".

"Era importante criar uma imagem coerente com a qualidade dos vinhos que a instituição produz", vincou.

O vinho comemorativo chegará ao mercado "dentro dois meses" e será o primeiro com a nova imagem corporativa, inspirada na ponte local sobre o rio Lima construída no século XIV.

Um dos pontos altos da cerimónia comemorativa dos 50 anos da Adega de Ponta da Barca foi a homenagem prestada aos "quatro associados que entregam as suas uvas há mais de 50 anos" à Adega de Ponte da Barca.

Na ocasião, o presidente o presidente da CVRVV, Manuel Pinheiro, considerou que "o sector cooperativo é hoje mais necessário do que nunca, para valorizar os produtores e a agricultura" e elogiou a "visão estratégica desta adega, que é rara no sector".

Tópicos:

Adega Ponta, Barca Arcos, Bruno, CVRVV, Equador, Peru México, Redação, Vinhos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Meio século depois, o Parlamento soviético dos finais da Guerra Fria repudiou o Pacto. Decorridos mais 30 anos, Putin quer reabilitá-lo.

    A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.