AOFA critica "aumentos desproporcionados" nos centros sociais do IASFA

| Economia

A Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) criticou hoje os aumentos das mensalidades pagas pelos utentes dos centros sociais do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) e reclamou a demissão da direção.

Em comunicado, o presidente da AOFA criticou o "aumento desproporcionado" do valor das mensalidades em três centros sociais, Oeiras, Porto e Runa (Torres Vedras) decidido através de deliberação da direção do IASFA, publicada na página daquele instituto na Internet.

Segundo o presidente da AOFA, António Mota, cerca de 130 residentes do Centro de Ação Social de Oeiras estão a solicitar ao presidente do IASFA, tenente-general Xavier Matias, que reveja os valores em causa, considerando que são "injustos e desproporcionados".

A deliberação estabelece uma atualização das mensalidades para as Estruturas Residenciais para idosos localizadas em Oeiras, Porto e Runa (Torres Vedras), que entraram em vigor a 1 de março para os novos contratos.

As mensalidades pagas pelos residentes atuais serão atualizadas em duas fases até convergirem com os novos valores, a primeira em julho próximo e a segunda em janeiro de 2018, segundo a deliberação, assinada pelo presidente do Conselho Diretivo do IASFA, tenente-general Xavier Matias.

Em comunicado, a Associação de Oficiais das Forças Armadas refere que as mensalidades já tinham sido aumentadas há dois anos e que, somando esse aumento ao agora previsto, a atualização será de 40%.

"Quem recebe uma pensão de 700 euros não vai poder pagar uma cama de 800", assinalou, em declarações à Lusa, o porta-voz da AOFA, Tasso de Figueiredo.

Para a AOFA, aqueles aumentos constituem um "encapotado processo de `despejo´" dos residentes idosos, já que a "esmagadora maioria" dos utentes "vive de parcas pensões" e não os conseguirão suportar.

O coronel Tasso de Figueiredo adiantou que 132 residentes do centro de Oeiras escreveram à direção do IASFA a solicitar a revisão dos valores.

Admitindo que o IASFA "está numa situação de dificuldade financeira", Tasso de Figueiredo frisou que "os beneficiários não devem ser responsabilizados por isso já que pagaram durante a sua vida para ter direito" àquele apoio.

A AOFA reclamou a intervenção do ministério da Defesa Nacional, afirmando que a situação "é demasiado grave para que quem detém conhecimento e responsabilidade máxima sobre o seu funcionamento se mantenha paciente, sossegada e de forma cúmplice, silencioso, como se nada se passasse".

"Os militares e seus familiares não merecem forma de tratamento diferente e mais gravosa do que os restantes concidadãos", afirmou a AOFA, reclamando que a direção do IASFA seja "destituída e substituída".

Tópicos:

AOFA Tasso, Diretivo, IASFA, Runa,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista exclusiva à editora de Política da RTP, no primeiro dia de trabalho como líder do PSD, Rui Rio defendeu que há mais vida para além da taxa de crescimento económico.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.