Bruxelas aprova aquisição da LaudaMotion pela Ryanair

| Economia

|

A Comissão Europeia aprovou sem quaisquer condições a aquisição da companhia aérea austríaca LaudaMotion pela Ryanair, considerando que o negócio não levanta quaisquer questões em matéria de concorrência no Espaço Económico Europeu, foi hoje divulgado.

A decisão diz respeito ao projeto de aquisição do controle exclusivo da LaudaMotion pela transportadora aérea Ryanair.

A LaudaMotion, esclareceu a Comissão Europeia, é a empresa através da qual o ex-piloto de Fórmula 1 Niki Lauda readquiriu, em janeiro de 2018, os ativos da NIKI, a companhia aérea de lazer que criou em 2003 e que, posteriormente, tinha sido integrada na Air Berlin.

Os ativos da NIKI estavam à venda porque, em dezembro de 2017, a Lufthansa decidiu não adquirir a NIKI, tendo esta solicitado, em consequência, a abertura de um processo de insolvência.

A LaudaMotion, registada na Áustria, adquiriu uma grande parte dos ativos da NIKI, tendo começado a explorar uma série de voos regulares de passageiros, principalmente com partidas da Alemanha, Áustria e Suíça para destinos no Mediterrâneo e nas ilhas Canárias.

A Ryanair, com sede na Irlanda, é uma companhia aérea de baixo custo que opera em toda a Europa, nomeadamente em Lisboa, Porto e Faro.

Tópicos:

Alemanha Áustria, Canárias, Fórmula Niki Lauda, LaudaMotion, Ryanair,

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.