Cooperativa de Freixo de Numão, Foz Côa, investe 6 ME na reconversão de vinha

| Economia

A Cooperativa de Olivicultores e Vitivinicultores de Freixo de Numão (COVFM) e os seus associados investiram nos últimos cinco anos cerca de seis milhões de euros na reconversão de vinhas, com recurso a fundos provenientes do programa VITIS.

Ilídio Santos, presidente da direção da COVFM, disse hoje à agência Lusa que a reconversão da vinha na área de influência daquela cooperativa do concelho de Foz Côa aumentou em cerca de 50% a produção de vinho, o que obrigou a uma restruturação da estrutura da adega cooperativa.

"Por este motivo, a Cooperativa viu-se obrigada a realizar um conjunto de investimentos superiores a um milhão de euros, recorrendo ao crédito bancário em 750 mil euros, colocando uma dúzia de novas cubas de fermentação e duplicando a capacidade de frio, entre outras melhorias", explicou o dirigente.

Segundo previsões dos dirigentes da estrutura vitivinícola, as obras de modernização em cursos na COVFM estarão concluídas no final de julho.

Nos últimos dez anos, a Cooperativa de Olivicultores e Vitivinicultores de Freixo de Numão "passou de uma situação de grandes dificuldades, para uma posição sólida".

"Apostámos numa gestão de rigor e de transparência. Há cinco anos, realizamos então, um conjunto de obras que nos permitiu aumentar a qualidade e quantidade dos vinhos", disse Ilídio Santos.

O programa Regime de Apoio à Reestruturação e Reconversão das Vinhas (VITIS) está em vigor até 2018, o qual concede ajudas à replantação, reenxertia ou sobreenxertia de vinha.

A COVFM está situada no concelho de Vila Nova de Foz Côa, distrito da Guarda, em plena Região Demarcada do Douro, e está a celebrar o seu 60º aniversário com uma agenda " repleta de iniciativas".

A Cooperativa agrega mais de um milhar de produtores de vinho e azeite daquele território do Douro Superior.

Tópicos:

Cooperativa Olivicultores Vitivinicultores Freixo, Freixo Numão Foz Côa, Reestruturação Reconversão, VITIS Ilídio,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.