Empresas de limpeza dizem que contrato coletivo caducou e não pode ser revisto

| Economia

A Associação Portuguesa de Facility Services (APFS) afirmou hoje que o contrato coletivo do setor caducou e que a revisão do mesmo, reivindicada pelo sindicato que decretou a greve de hoje, é por isso "juridicamente inviável".

Em comunicado, a APFS defende que o contrato coletivo de trabalho (CCT) celebrado em 2004 com o Sindicato dos Trabalhadores de Limpeza e Atividades Diversas (STAD), que promove hoje uma greve e uma manifestação em defesa dos direitos adquiridos e de aumentos salariais, "está caducado".

Segundo a associação empresarial, apesar da APFS ter tentado retomar a "normalidade" das relações com o sindicato e de abrir "conversações informais" com a organização sindical com vista à celebração de uma nova convenção coletiva, "o STAD interrompeu o processo e passou a esquivar-se à continuação do diálogo".

"Em face disso, e porque não podia continuar a arrastar-se numa situação de indefinição - designadamente, na medida em que o Ministério do Trabalho ainda não publicitou formalmente a caducidade do CCT do STAD - a APFS viu-se obrigada a requerer de novo a publicação do respetivo aviso de caducidade", lê-se no comunicado.

A associação afirma que o Ministério do Trabalho "reconhece que já se verificam todos os pressupostos de caducidade" e que não é possível "a revisão de um instrumento jurídico que deixou de vigorar".

"A pretensão do STAD de renovar uma convenção caducada é, por isso, juridicamente inviável", diz a associação, acrescentando estar "inteiramente disponível para negociar uma nova convenção, logo após a publicação do aviso de caducidade da velha convenção de 2004".

Os trabalhadores do setor da limpeza industrial estão hoje em greve e manifestam-se em Lisboa, numa ação de luta convocada pelo STAD, filiado na CGTP, depois de a última reunião de conciliação no Ministério do Trabalho, realizada em 16 de maio, ter sido infrutífera.

O STAD queixa-se de que a associação patronal se recusa a negociar a revisão do contrato coletivo, com a intenção de o fazer caducar, levando a perda dos direitos nele consignados.

A paralisação decorre entre as 00h00 e as 24h00 e abrange todos os locais de trabalho e, segundo o sindicato, deverá ter maior incidência nos hospitais, transportes (aeroportos, comboios, metropolitanos), grandes superfícies e instalações fabris.

O STAD prevê também uma elevada participação na manifestação marcada para a capital, dado que estão reservados 20 autocarros para trazer a Lisboa trabalhadores de todo o país, que pretendem participar no desfile que decorrerá ao início da tarde entre o Parque Eduardo VII e a sede da associação empresarial do setor.

A manifestação contará com a participação do secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

Os trabalhadores das limpezas industriais reivindicam, no âmbito da revisão do contrato coletivo, o aumento dos salários para um mínimo de 600 euros, retroativo a janeiro, e a manutenção de direitos como o subsídio de trabalho noturno ou ao domingo.

A última revisão do CCT ocorreu em 2004 e desde então os trabalhadores têm tido apenas o aumento aplicado ao Salário Mínimo Nacional (SMN), o que fez com que os diferentes escalões e categorias profissionais que compunham a tabela salarial do setor fossem absorvidos pelo valor do SMN.

Segundo o STAD, em 2004 os salários do setor variavam entre os 402 euros, do trabalhador de limpeza, e os 590 euros, da supervisora geral, mas atualmente quase todos os trabalhadores ganham os 580 euros do SMN, ficando de fora apenas a supervisora geral.

Os trabalhadores reivindicam ainda um subsídio de refeição de cinco euros por dia, porque consideram insuficiente o atual subsídio de 1,80 euros.

No setor das limpezas industriais trabalham cerca de 35.000 trabalhadores, maioritariamente mulheres, distribuídos por cerca de 3.000 empresas.

Tópicos:

CCT STAD, Limpeza Atividades, Salário Mínimo,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.