Engenheiros Técnicos defendem Montijo para complementar aeroporto de Lisboa

| Economia

A Ordem dos Engenheiros Técnicos defendeu hoje um novo aeroporto no Montijo para complementar o Aeroporto de Lisboa, por ser a "solução técnica mais viável e financeiramente mais económica".

Apesar de defender como "solução definitiva" a construção de um novo aeroporto, que poderia ser em Alcochete, "na atual conjuntura, a Ordem dos Engenheiros Técnicos apoia a solução Montijo, face à necessidade e urgência de viabilizar uma solução complementar ao Aeroporto da Portela/General Humberto Delgado".

Para a ordem profissional, o Montijo é a "solução técnica mais viável e financeiramente mais económica" e para onde estão garantidas acessibilidades pelas "ligações Aeroporto Montijo/Humberto Delgado/Ponte Vasco da Gama, EXPO, e seria ainda integrada a ligação Arco Ribeirinho Sul (Via ribeirinha Montijo/Barreiro /Seixal)".

"A Ponte Vasco da Gama tem ainda capacidade para comportar o aumento de tráfego previsível com a instalação deste novo equipamento, acrescentando a possibilidade de inclusão de uma faixa "BUS" ou metro ligeiro de superfície", lê-se no comunicado.

De acordo com o memorando de entendimento assinado em fevereiro, a ANA - Aeroportos de Portugal, gerida pela Vinci Airports, tem seis meses para apresentar ao Governo uma proposta para um aeroporto complementar ao de Lisboa na base aérea do Montijo.

Este aeroporto complementar deverá estar vocacionado principalmente para as `low cost` (companhias de baixo custo) e para serviços de médio custo.

 

 

Tópicos:

Arco Ribeirinho, Gama, Portela,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.