Engenheiros Técnicos defendem Montijo para complementar aeroporto de Lisboa

| Economia

A Ordem dos Engenheiros Técnicos defendeu hoje um novo aeroporto no Montijo para complementar o Aeroporto de Lisboa, por ser a "solução técnica mais viável e financeiramente mais económica".

Apesar de defender como "solução definitiva" a construção de um novo aeroporto, que poderia ser em Alcochete, "na atual conjuntura, a Ordem dos Engenheiros Técnicos apoia a solução Montijo, face à necessidade e urgência de viabilizar uma solução complementar ao Aeroporto da Portela/General Humberto Delgado".

Para a ordem profissional, o Montijo é a "solução técnica mais viável e financeiramente mais económica" e para onde estão garantidas acessibilidades pelas "ligações Aeroporto Montijo/Humberto Delgado/Ponte Vasco da Gama, EXPO, e seria ainda integrada a ligação Arco Ribeirinho Sul (Via ribeirinha Montijo/Barreiro /Seixal)".

"A Ponte Vasco da Gama tem ainda capacidade para comportar o aumento de tráfego previsível com a instalação deste novo equipamento, acrescentando a possibilidade de inclusão de uma faixa "BUS" ou metro ligeiro de superfície", lê-se no comunicado.

De acordo com o memorando de entendimento assinado em fevereiro, a ANA - Aeroportos de Portugal, gerida pela Vinci Airports, tem seis meses para apresentar ao Governo uma proposta para um aeroporto complementar ao de Lisboa na base aérea do Montijo.

Este aeroporto complementar deverá estar vocacionado principalmente para as `low cost` (companhias de baixo custo) e para serviços de médio custo.

 

 

Tópicos:

Arco Ribeirinho, Gama, Portela,

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.