Governo de Malta diz que ministro espanhol "provavelmente" substituirá Vítor Constâncio no BCE

| Economia

O ministro das Finanças de Malta, Edward Scicluna, considerou hoje que o seu homólogo espanhol, Luis de Guindos, "provavelmente" ganhará a vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE), com apoio socialista, sucedendo a Vítor Constâncio.

"Ambos [Luis de Guindos e o governador do Banco Central da Irlanda, Philip Lane] merecem o lugar, mas o Partido Popular Europeu tem demonstrado [uma posição] muito firme, em conjunto com os socialistas, para chegar a esse posto e Luis de Guindos é desse partido", disse, citado pela Bloomberg, Edward Scicluna.

Para Scicluna, o ministro espanhol tem feito um trabalho "muito bom", de tal forma que os socialistas estão a "ver com bons olhos" a nomeação do ministro espanhol.

Luis de Guindos e Philip Lane estarão, esta quarta, perante os eurodeputados da Comissão de Economia do Parlamento Europeu. No dia 20 de fevereiro, está previsto que os ministros da economia da zona euro elejam o novo vice-presidente do BCE, que vai suceder ao português Vítor Constâncio.

Os líderes da União Europeia têm até ao dia 22 de março para dar a sua aprovação final.

Também o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, e o ministro das Finanças da Eslováquia, Peter Kazimir, já afirmaram publicamente que apoiam o candidato espanhol.

Em 7 de fevereiro, o comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, notou, durante uma conferência de imprensa, que o ministro espanhol é um "homem de grande qualidade" e sublinhou que tem trabalhado "muito bem" com ele.

Tópicos:

Bloomberg Edward Scicluna, Económicos Pierre Moscovici, Guindos Philip Lane, Luis, Vítor Constâncio,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Em abril, uma cimeira histórica entre Coreias reaproximou dois países de costas voltadas há mais de 60 anos. O que esperar do futuro?

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.