Greve na CP e na Infraestruturas de Portugal contra "desvalorização de salários"

por Carlos Santos Neves - RTP
Os trabalhadores da CP - Comboios de Portugal cumprem esta quarta-feira uma greve de 24 horas Fernando Nobre - RTP

Os trabalhadores da CP cumprem esta quarta-feira, a par dos profissionais da Infraestruturas de Portugal, uma paralisação de 24 horas. Reivindicam o cumprimento do acordo de empresa e um prémio financeiro para mitigar os efeitos da inflação. Reclamam ainda que este prémio seja anual, tendo em vista compensar uma perda de poder de compra que começou em 2020. Comboios de Portugal e Fertagus admitem perturbações na circulação.

Segundo o Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário, afeto à Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações, a greve constitui uma resposta à “falta de respostas da administração/Governo, que não têm em conta a realidade de uma brutal desvalorização dos salários”.Fonte da CP, citada pela agência Lusa, adiantou que foram suprimidas 143 das 252 ligações ferroviárias programadas até às 8h00.


Entrevistado esta quarta-feira no Bom Dia Portugal, o coordenador da Fectrans, José Manuel Oliveira, disse ser “expectável uma forte perturbação da circulação ferroviária”.

“Do nosso ponto de vista, o que está aqui em causa é a valorização dos salários e a melhoria da contratação coletiva. Os trabalhadores estão a ter, neste momento, uma desvalorização dos salários muito significativa”, apontou, para acrescentar, adiante, que o Governo demonstra querer apostar na ferrovia, mas não nos ferroviários.
José Manuel Oliveira adiantou que, “em algumas situações pontuais”, os serviços mínimos não estão a ser cumpridos.

Foram decretados serviços mínimos para os comboios suburbanos de Lisboa e do Porto e para os serviços regionais e de longo curso. A ata disponibilizada pelo portal da DGERT - Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho indica que os sindicatos e a CP chegaram a acordo para o cumprimento de serviços mínimos de 25 por cento na paralisação desta quarta-feira.


No caso da Fertagus, que faz a ligação entre Lisboa e a margem sul to Tejo, está prevista a realização de 25 por cento das viagens.

Em comunicado divulgado na terça-feira, a CP adiantou que são esperadas perturbações na circulação de comboios a nível nacional – os serviços mínimos podem ser consultados no site da transportadora ferroviária.

“Aos clientes que já tenham bilhetes adquiridos para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Internacional, InterRegional e Regional, será permitido o reembolso, no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação gratuita para outro comboio da mesma categoria e na mesma classe”, assinalou a CP.

“O reembolso ou revalidação podem ser feitos em myCP na área Os seus bilhetes (para bilhetes adquiridos na bilheteira online e App CP) até aos 30 minutos que antecedem a partida do comboio da estação de origem do cliente, bem como nas bilheteiras e em cp.pt através do preenchimento do formulário online, com o envio da digitalização do original do bilhete e indicação de Nome, Morada postal, IBAN e NIF, até dez dias após terminada a greve”.

c/ Lusa
pub