Oliveira do Hospital com 41% das casas recuperadas um ano depois

| Economia

Oliveira do Hospital, um dos concelhos mais devastados pelo incêndio de 15 de outubro de 2017, tem 41% das habitações de uso permanente reconstruídas um ano após a tragédia.

Os trabalhos estão concluídos em 52 habitações permanentes neste município do distrito de Coimbra, de um total de 126 pedidos de apoio aprovados pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC).

No espaço "Reerguer dos incêndios" da página da internet da CCDRC, verifica-se que 68 empreitadas estão a decorrer.

Contempladas pelo Programa de Apoio à Reconstrução de Habitação Permanente (PARHP), oito projetos não estão em execução, de acordo com a última atualização dos dados, de dia 11.

Dos cerca de 30 concelhos da região atingidos pelos fogos de 15 e 16 de outubro de 2017, em que pereceram 50 pessoas, Oliveira do Hospital, com 13 óbitos, foi o que registou maior número de vítimas mortais, tendo as chamas atingido quase todo o território.

Há uma semana, o município presidido por José Carlos Alexandrino agraciou com a medalha de ouro a presidente da CCDRC pelo seu papel na reconstrução, depois de o vizinho concelho de Tábua ter concedido, em abril, idêntico tributo a Ana Abrunhosa.

Em Oliveira do Hospital, foram aprovados 74 projetos para relançar empresas destruídas total ou parcialmente, envolvendo quase nove milhões de euros de apoio público. Está em causa a preservação de 630 empregos.

É o caso de uma carpintaria reconstruída com um investimento de 1,5 milhões de euros, iniciativa do empresário Fernando Brito, de 74 anos, também distinguido pela autarquia ao lado de Ana Abrunhosa.

A plantação de 4.000 árvores por voluntários foi a forma escolhida pela Câmara de Mira para assinalar a passagem de um ano sobre os incêndios, que atingiram 60% da área florestal do concelho.

"É uma iniciativa que contribui para a reflorestação do nosso concelho, duramente atingido em outubro do ano passado. Mas tem também um lado simbólico, porque representa o esforço de uma população que enfrentou uma terrível tragédia com coragem e que tudo tem feito para regressar à normalidade", disse à agência Lusa o presidente da Câmara, Raul Almeida.

As estimativas apontam para mais de 30 milhões de euros de prejuízos em unidades fabris e explorações agrícolas.

"Há ainda postos de trabalho em risco, mas a maioria das empresas conseguiu continuar a trabalhar", referiu um empresário do Seixo de Mira.

Em Mira, não houve vítimas mortais e o número de casas destruídas foi muito baixo. Num concelho com pouco mais de 12 mil habitantes, quem mais sofreu foram as zonas florestais e a indústria.

A limpeza de matas, a reflorestação e a reparação de sinalética e estruturas turísticas de apoio foram este ano as prioridades da Câmara.

A autarquia está a investir mais de um milhão de euros na reposição de estruturas e sinalética nos percursos pedestres e gastou 250 mil euros em máquinas de rasto e equipamento para os bombeiros.

Na zona industrial, vai construir uma nova variante, para melhorar a circulação de viaturas e mercadorias.

"Vamos demorar anos a recuperar, mas estamos no bom caminho", afirmou Raul Almeida.

Em Cantanhede, o incêndio de há um ano destruiu quase seis mil hectares de floresta e provocou 222 mil euros de prejuízo em equipamentos.

Em abril, uma propriedade de 12 hectares, da Junta de Freguesia da Tocha, foi reflorestada com pinheiro-manso, estando prevista a plantação de 8.000 árvores desta espécie entre aquela localidade e a Praia da Tocha.

A Câmara de Cantanhede recebeu 17 candidaturas aos apoios do PARHP, ainda em análise conjunta com a CCDRC.

O concelho da Figueira da Foz foi atingido por dois incêndios em 15 de outubro, nas freguesias de Paião e Alqueidão e na Mata Nacional de Quiaios, que não afetaram casas ou equipamentos municipais.

A Câmara recebeu quase 150 mil euros do PDR 2020 e da Agência Portuguesa do Ambiente, para a "estabilização de emergência pós-incêndio florestal em Quiaios", com intervenção na zona florestal e linhas de água afetadas, já em execução, e para a regularização da Vala da Lavadia.

A pedido da autarquia, o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas "está a preparar um plano de florestação na envolvência da Lagoa da Vela para uma área considerável, que permitirá plantar cerca de 75 mil árvores".

Está a decorrer um estudo para a reabilitação da Lagoa da Vela, cuja faixa ocidental foi bastante afetada pelo incêndio.

Na Pampilhosa da Serra, um dos concelhos do distrito de Coimbra mais flagelados pelos fogos e pela desertificação, desde o século XX, a recuperação de segundas casas é agora uma das maiores preocupações da Câmara, presidida por José Brito.

Em setembro, a Assembleia Municipal aprovou o regulamento que viabiliza o apoio à sua reconstrução.

Mais de 600 habitações do concelho, 78 das quais permanentes, foram atingidas há um ano pelo incêndio.

Cinquenta e nove foram contempladas com apoios do Estado para orçamentos inferiores a 25 mil euros.

Destas, "metade estão concluídas", havendo 19 empreitadas com custos acima dos 25 mil euros que estão adjudicadas, disse à Lusa o presidente da autarquia, José Brito. As infraestruturas municipais "já estão todas repostas".

Entretanto, foram entregues às famílias duas casas reconstruídas pela Federação Portuguesa de Futebol.

O estádio de futebol do Grupo Desportivo Pampilhosense sofreu danos avultados, mas foi reparado e vai reabrir na próxima semana.

Na Lousã, há obras em curso ou para começar, a cargo da CCDRC, em três imóveis de primeira habitação, no valor global de 213.263 euros, incluindo IVA.

Noutra casa, segundo o município liderado por Luís Antunes, decorrem obras de montante inferior a 5.000 euros.

Neste concelho, onde começou o incêndio de 15 de outubro, 10 empresas beneficiaram de 1.274.271 euros de ajudas do Estado, para um total de 1.574.458 euros de despesas elegíveis.

Tópicos:

Brito, Figueira, IVA Nra, Paião, Pampilhosa, Praia Tocha Câa Cantanhede, Seixo Mira, Vala,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevistada no Telejornal, a ministra da Saúde admitiu que reunir o consenso do PSD "não foi algo que tenha passado pelas preocupações do Governo".

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.