Seguradora Fidelidade comprou cinco agências funerárias e diz que "vai comprar mais"

| Economia

O presidente da Fidelidade, Jorge Magalhães Correia, disse hoje que, no futuro, esta "não vai ser uma seguradora, mas uma prestadora de serviços de conveniência", divulgando a aquisição de cinco agências funerárias, que vai alargar-se "a muitas mais".

"A Fidelidade daqui a uns anos não vai ser uma seguradora, vai ser uma prestadora de serviços de conveniência aos clientes", declarou o responsável, que falava em Lisboa na conferência "Banca & Seguros: O Futuro do Dinheiro", organizada pelos meios TSF e Dinheiro Vivo e pelas empresas Iberinform Crédito y Caución e Sage.

Por isso, "estamos a acabar de comprar cinco agências funerárias e vamos comprar muitas mais", acrescentou o responsável.

De acordo com Jorge Magalhães Correia, isso inclui-se na estratégia da seguradora, que está a "realizar parcerias para criar toda uma cadeia de valor".

"Vejo a Fidelidade como uma empresa de seguros, assente em tecnologia, que cria cadeias de valor e ecossistemas. Estamos nesse caminho", vincou o presidente daquela companhia.

E acrescentou: "Não queremos fazer o seguro de trabalho de uma empresa, queremos é cuidar da força laboral da empresa".

Num debate sobre "os desafios da digitalização para os seguros e para os novos `players` [operadores] financeiros", Jorge Magalhães Correia falou também no novo regulamento de dados, que entra em vigor em Portugal na próxima semana.

"Vemos a proteção de dados como uma vantagem competitiva" e como um "elemento importante, não nos queixamos, apesar de o regulamento ter exigências e especificidades, nomeadamente no domínio da saúde, que têm de ser acauteladas", disse.

Contudo, "não podemos cair na ingenuidade", realçou.

"Se os dados existem, alguém os tratará. E se a lei tem restrições, alguém os vai tratar fora deste enquadramento" legal, indicou, adiantando que "não se pode achar que os dados vão ficar à porta das companhias", dada a nova legislação.

Como exemplo, o responsável referiu que "os operadores asiáticos e americanos não estão sujeitos" a tal regulação europeia.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor em 25 de maio, vai exigir que as empresas da União Europeia que lidem com o tratamento ou armazenamento de dados pessoais prestem informação sobre o tratamento, conservação e transferência desses mesmos dados.

As regras europeias preveem multas até 20 milhões de euros ou 4% do volume de negócios a grandes empresas no caso de infrações à lei consideradas contraordenações muito graves.

José Gomes, presidente executivo da Não Vida, Agentes e Corretores do Grupo AGEAS Portugal, apontou, na sua intervenção, a "baixa penetração de seguros nos particulares e nas empresas", vincando a necessidade de criar uma "maior sensibilização".

Nesse âmbito, o vice-presidente da Real Vida Seguros, Joaquim Branco, falou na necessidade de "captar e atrair os millennials`", isto é, jovens da geração da internet.

Por seu lado, o presidente executivo da Tranquilidade, Jan de Pooter, notou os "grandes desafios" que a fusão com a Açoreana trouxe, e vincou a necessidade de criar uma "experiência cada vez mais personalizada".

Já José Galamba de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Seguros (APS), ressalvou que a digitalização do setor não será "assim tão imediata", existindo "passos a dar na adoção das tecnologias e relativamente à base de dados".

Tópicos:

AGEAS, Açoreana, Caución, Fidelidade, Tranquilidade,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.