Em Direto
Euro2024. Acompanhe na RTP1 e nas plataformas digitais o jogo do Grupo B entre Espanha e Itália

Ponto de situação - Exército de Israel anuncia reabertura de escolas após ataque iraniano

por RTP

O exército israelita anunciou hoje a reabertura, na maior parte do país, de escolas que tinham sido fechadas no sábado por razões de segurança face às ameaças do Irão.

O Irão disparou mais de 300 drones, mísseis balísticos e de cruzeiro contra Israel durante a noite de sábado para domingo, que alegou ter “frustado” a operação com a ajuda de países aliados. As autoridades israelitas garantem que mais de 99 por cento foram destruídos no ar.

Depois de avaliar a situação, “foi decidido retomar as atividades educativas em todo o país” a partir de segunda-feira, sujeitas, no entanto, a “restrições” na zona fronteiriça com o Líbano e em localidades próximas da Faixa de Gaza, disse o porta-voz do exército, Daniel Hagari, na rede social X (antigo Twitter).

O ataque contra Israel foi justificado como uma retaliação por causa do ataque à embaixada do Irão na Síria e contou com o apoio do Hezbollah do Libano e dos Houthis do Iémen.

O aumentou as tensões entre Teerão e Telavive, já marcadas nos últimos tempos pela ofensiva de Israel na Faixa de Gaza.

O primeiro ministro de Israel garante que o país vai responder ao ataque do Irão, mas não revela quando.

O embaixador do Irão nas Nações Unidas afirma que o ataque foi necessário e proporcional ao ataque de 1 de abril à embaixada iraniana em Damasco.
O embaixador acusa os Estados Unidos, o Reino Unido e França de "fecharem os olhos" a esse episódio.
Portugal admite operação de resgate
Portugal admite realizar uma operação de resgate na região se a situação se agravar.


Em Israel, 25 cidadãos nacionais pediram ao Governo ajuda para sair. No Irão, mais de quatro dezenas de turistas estão também a tentar regressar.

pub